07 novembro 2011

II Raid Vila Nova da Barquinha


Após uma semana do passeio em Evoramonte de 50km muito duros onde fui o primeiro a chegar de forma muito categórica este fim-de-semana na Barquinha sérvio para por fim as pedaladas para este ano, pois além das condições climatéricas estarem a pior eu e a minha carteira também precisamos de descanso.

Este raid teve a particularidade de termos presentes 9 elementos SDT, bem como alguns respectivos familiares, aproveitando o dia para o convívio.
Eu fui com a companhia da minha namorada e do Luís.A partida de Estremoz foi um pouco atrasada saindo cerca das 6h:50m e chegada a Vila Nova da Barquinha por volta das 20 para 9 horas.
Após rapidamente levantarmos os dorsais onde vinha uma estatueta, um porta-chaves e uma t-shirt fomos logo para a zona da meta, onde ja muitos aguardavam a partida. Cerca de 120 participantes para a distancia única de 50km, poucos mas bons..

Após alguns minutos depois da 9 horas foi dada a partida onde ainda dentro da vila tentei recuperar alguns lugares.., á entrada da terra seguia dentro dos primeiros 15 participantes onde se começou logo a subir por um meio de eucaliptais.. Cerca do quilómetro 20 já tinha recuperado mais alguns lugares com percurso que para mim estava a começar a ser muito monótono sempre em sobe desce por meio de eucaliptos, com a marcação também a merecer atenção redobrada pois as fitas eram curtas e por vezes de fraca visibilidade. 

Passado mais alguns quilómetros, a meio da distância e sempre avistar dois participantes á minha frente, uma pessoa da organização na picagem avisou-me que era o 12º ou 13º..., Foi o mesmo que me ter dado uma "marretada", pois não era dos meus melhores dias e com aquelas palavras afectaram-me muito psicologicamente, fazendo com que perdesse por completo o espírito competitivo, embora me parecesse que estava em melhor posição...
Já tinha ido ao chão...

Abrandei mais o ritmo e limitei-me a tentar concluir a prova com o objectivo de não ser passado por ninguém, onde os trilhos mudaram paisagisticamente com o aparecimento de espaços mais abertos, passagens por aldeias e alguns singles onde surgi-o também mais lama e ainda tive tempo para uma pequena queda sem gravidade por derrapagem da roda da frente devido a lama agarrada, antes ainda passara dois participantes.

Muito perto da chegada e á passagem  uma estrada mais um elemento da organização me dissera o lugar em que ia, mais precisamente em 7º lugar.., o que vim a concluir que inicialmente fora enganado da minha posição e que poderia ter feito melhor.. Mas o mal já estava feito e o fim de 47km calmamente lá cortei a meta no dito 7º lugar com o tempo de 02h:18m (ver classificação) com um acumulado de cerca de 750m e uma media de batimentos de 160 que era o espelho do meu pouco esforço.

Com uma manha de sol muito agradável fui esperando pelos meus companheiros SDT onde antes de irmos almoçar e depois de um belo banho nos melhores balneários onde até hoje tomei duche, entregamos as tampinhas plásticas para a Inês, criança no qual tem decorrido uma campanha de solidariedade.
Team SDT com a contribuição de tampinhas para a pequena Inês


O almoço foi simpaticamente servido nos camarotes da praça de touros com porco no espeto e muita imperial, onde ainda assistimos a uma garraiada...

Em geral fica uma boa organização de pessoas muito simpáticas que nos receberam muito bem, embora com algumas arestas para limar no meu ver na parte das marcações e sinalizações.



24 outubro 2011

Maratona BTT 100 trilhos- Castro Verde



A minha ida a Castro Verde foi quase em cima da hora, pois estava dependente de ter bike para este dia, ou não, já que o meu quadro MSC estava estalado junto a soldadura da pedaleira, ou seja "não morreu da cura acabou por morrer do mal"...

Três dias antes já cá tinha a minha nova maquina de guerra, um quadro Orbea Alma de carbono 2012 e a estreia para a minha adaptação foi mesmo no baixo Alentejo, onde com a companhia do João Garcia arrancamos de Estremoz cerca das 6h da matina.

Por volta das 8h chegamos ao destino, onde após levantarmos os dorsais, no saco vinha uma t-shirt um lápis e mais umas papeladas fomos convivendo com o pessoal... Antes da partida e ao colocar os bidons da água nos suportes constatei que algo estava mal, pois as grades de bidon novas e eram muito apertadas para os meus bidons, pois custava muito a tira-los, mas como eram novas pensei que iriam alargando com o uso.

Á partida fiquei mesmo debaixo da manga na linha da frente ao lado do meu amigo Sequeira, onde estavam inscritos cerca de 300 participantes nas três distâncias, eu fui a distância anunciada pela organização de 56km.

Com a partida dada percorremos cerca de 5km pelas apertadas ruas de Castro Verde onde a entrada do percurso seguia no grupo dos 15 primeiros.
Rapidamente ganhei mais uns lugares, quando cerca do quilometro 17 surgiu a primeira subida maior onde continuava avistar o pessoal da frente, só que a seguir veio um espectacular e técnico single onde me comecei atrasar por culpa do pessoal que seguia a minha frente e que tinha menos técnica.

A partir dai percorri muitos quilómetros no grupo perseguidor aos primeiros, com cerca de 7 elementos, onde cada vez que tinha de beber agua me atrasava, já que quase tinha de parar para conseguir tirar o bidon do suporte...


Apresentação da minha nova Maquia de Guerra
Á mudança de percurso o grupo começou a ficar partido pois já íamos com mais de 30km..., segui a meu ritmo onde nos últimos 10km comecei a puxar mais por mim, a semelhança das ultimas provas e onde ganhei mais três lugares, antes ainda fizemos mais umas boas centenas de metros em single, desta vez a subir.

Os últimos 3km fi-los a mandar os bofos pela boca onde avistei mais dois participantes e lentamente foi ganhando encurtamento de distancia, só que já era tarde.., acabei por cortar a meta mais uma vez em 6º lugar a cerca de 30 segundos do quarto e quinto e a três minutos dos três primeiros que chegaram juntos, embora os tempos da classificação da organização não estejam correctos. Foram 57km pedalados num acumulado perto dos 900m...

Aguardei pela chegada do meu companheiro de equipa e fomos ao merecido banho.
A parte melhor como sempre para mim é o almoço, servido na escola com uma sopa e uma massa com carne, regada por imperial super bock


Bom evento para a primeira organização do 100 trilhos, onde já muito não fazia tantos singles traks técnicos como espectaculares com alguns pormenores..., onde ate pintaram as pedras para melhor visualização do trilho

Em resumo fica a minha estreia do meu novo quadro que para ser sincero não achei grandes diferenças para já, só no conforto e na carteira, pois em peso é quase o mesmo do meu antigo MSC...


Foto com que apareceu na Reavista O Praticante

03 outubro 2011

3º Maratona BTT Cocheiros


Pelo terceiro ano consecutivo marquei a minha presença em Santo Aleixo da Restauração, sendo a terceira edição, não faltei a nenhuma, pois como se costuma dizer "quanto mais me bates, mais eu gosto de ti".. Esta zona tem como principal característica o chamado "rompe pernas", onde este ano alem da dureza anunciada pela organização tinha mais um psicológico afectar-me..., o meu quadro MSC que dias antes detectei uma estaladela junto á soldadura dos rolamentos do pedaleiro e que estava a por em causa a bike se aguentar bem como a minha segurança...

Mais um MSC despachado..


A manha começou perto da 6 da matinha onde ao pé do café Ze Russo a comitiva se reunião, composta por mim no meu carro, pela minha namorada Lúcia e pelo Sacarrabos, nos outros carros seguiram o Humberto e a família, o J. Burralho e a família e o A. B. Neves com o J. Camões e atrás os pais do J. C...

A chegada á simpática e acolhedora aldeia de de S. Aleixo da Restauração foi pouco já passava das 8hras, onde nos  dirigimos-nos ao habitual levantamento do dorsal.., onde trazia uma jersy, um bidon, caneta, papeis e o meu em excepção com um mini Sagres do meu amigo Nuno Valente.., ao qual eu agradeço tanta simpatia, só que estava quente...

Nas calma fomos nos equipando e 20 minutos antes da hora já estávamos despachados, seguindo para o cento da aldeia, zona da partida, onde já muitos participantes aguardavam pela hora.

Para esta prova já tinha sido avisado pelo pessoal da organização e meu conhecido que ha semelhança das anteriores edições a dureza era esperada e maior que os passados, com cerca de 1000m de acumulado para os 45km, e sabendo eu bem o que "penei" nas anteriores, este ano a atenção era redobrada, ja que só agora estou a ganhar melhor forma física e este tipo de percurso iria ser uma "briga" com as cambrias... Uns minutos depois da hora foi dada a partida onde cerca de 300 participantes seguiram para as duras distancias...

Parti nas calmas sem grandes velocidades e loucuras á espera de começar aquecer os músculos com receio dos trilhos bem como do meu quadro se aguentaria sem partir... Lentamente num inicial sobe e desce começei a recuperar alguns lugares que deixei perder ao inicio e que tinham partido há minha frente, mas sempre de olho no quadro e nas pernas... Com o passar dos quilómetros constatei e o percurso era de sobe e desces mas longos e com boas zonas a rolar para recuperar ao contrário do que inicialmente esperava... Aos poucos comecei a apertar comigo e a comecei a subir lugares atrás de lugares sem cambrias e sem grandes dificuldades. 

Chegando ao quilometro 42, ponto da divisão de percursos avistar muito perto participantes da mesmo distancia, onde em conjunto com o Luís Campanhiço fizemos uma grande e inclinada subida de pedra solda, subidos mais dois lugares. 
O último quilómetro numa zona mais técnica adiantei-me ao luís, voltando a me juntar com ele dentro da aldeia num inclinadíssima subida de alcatrão com a chegada quase a vista, onde de mãos dadas curtamos a meta em 5º e 6º lugar com 49km em 02h:07m e menos 2 minutos do 2º lugar entre 207 participantes, onde tinha a comitiva estremocense aguardar a nossa chegada.(ver classificação)
Alguns elementos da comitiva Estremocense..

Fui aguardando os meus companheiros, onde ainda tive muito tempo de beber uma mini com o Saca que acabou por não participar por problemas físicos e o Tobias do BTT-TV.

Após a chegada do pessoal foi um belo e merecido banho e depois o belo almoço, muito diversificação, em quantidade e apaladado onde convivendo e relatando fomos almoçando e conversando as peripécias de mais um grande evento.
A vinda para Estremoz foi em passeio família com passagem pela barragem do Alqueva e Amieira.

Em geral fica mais uma grande edição do pessoal dos Cocheiros, ao qual eu mais um anos os felicito e agradeço a simpatia, bem como o despedir do meu quadro MSC em maratonas que se aguentou em terreno tão duro.

Em relação ao balanço dos percursos em três anos, este foi o ano em que achei o percurso mais acessível e menos duro...


26 setembro 2011

2ª Resistência BTT by RidersTT



Continuando as minhas pedaladas em busca da minha melhor forma física e preparação para a maratona dos Cocheiros. Esta vez após quase dois anos fora deste género de prova (circuito), pois a ultima vez foi no troféu de Évora em 2009. Sendo o Ciborro uma aldeia não muito longe de Estremoz e tendo como companhia o J. Garcia fomos a esta simpática aldeia a fim de participar na 2 resistência BTT By RidersTT. A minha começou por volta das 7:00 da matina, onde por coincidência na Snop encontramos dois elementos da Rota d'Ossa e em conjunto nos deslocamos ate ao Ciborro.

A chegada levantamos os dorsais no campo de futebol, onde ainda havia pouco pessoal, ja que a partida era do centro da aldeia. Equipamos nas calmas e fomos para a zona da partida onde encontramos o nosso colega de equipa Telmo e mais algum pessoal conhecido. Há partida estava cerca de 70 participantes que se iriam dividir pelas 2h e 4 horas. Eu e o pessoal SDT estávamos todos paras 2 horas.

A partida foi dada onde parti atrás dos primeiros 10 participantes para um percurso que já era sabido com cerca de 8km e um acumulado por volta acima dos 150m de subidas. 
Eu "arrebentar" e traz o amigo Pedro Pardal..
Logo na primeira volta constatei um circuito muito variado, com alguns singles trak pelo meio de eucaliptos, tanto a subir como a descer, muitos drops, descidas curtas mas muito inclinadas e de grande dificuldade técnica, passagem por túnel feito pela vegetação num ribeiro com muita pedra e dois ou três quilómetros a rolar ao lado de uma barragem e com subidas duras e técnicas sendo uma delas muito inclinada e aos S até a passagem pela meta no centro da aldeia, onde o pessoal da organização tomava nota dos tempos e voltas. 

Após o aquecimento da primeira volta andei sempre lado a lado com o Pardal onde á terceira volta já estava a dobrar participantes, mantendo quase sempre o mesmo tempo/media por volta. 
Na minha quinta volta consegui ultrapassar mais um participante das 2 horas e no quilometro final distanciar de um que andou sempre na minha roda, com esperança de conseguir passar antes do tempo e dar mais uma volta recuperando mais um possível lugar cheguei a meta com 9 segundos depois da hora onde o Rafael que andava a minha frente também já tinha terminado. 
Fiquei a sabendo que tinha concluído o tempo no 3º lugar e onde o primeiro classificado passara antes do tempo e concluiu mais um volta.Em resumo fiz cerca de 45km com um acumulado de cerca 850m. 
Foi uma boa estreia neste tipo de provas, bem como me deu imenso prazer percorrer e ultrapassar rapidamente as zonas mais técnicas.

Fomos tomar um duxe e voltamos para o centro da aldeia onde ainda decorria a prova das 4horas, abancamos num café a repor os líquidos com umas minis e os sólidos com uns tremoços.

O almoço so tinha hora marcada para as 13:30 onde fomos presenteados com a variedade de dois pratos (carne ou peixe), bem como entradas e doces, tudo em grande qualidade e quantidade acompanhado de minis. Presenciamos á entrega de prémios onde tive direito a um pólo da Junta de freguesia e um coxo em cortiça com uma referência do 3º classificado.
Entrega de um coxo, para um cocho..
Em suma ficam uma excelente manha de BTT, com um espectacular percurso que me deu bastante gozo pedalado onde o pessoal da organização foi impecável, extremamente prestável e simpático.


20 setembro 2011

2ª Maratona "No Trilho do Lobo" - Abrantes



Passados 15 dias do inicio das minhas pedaladas e após o empeno de Mombeja, há que continuar a ganhar preparação. Desta vez fui pedalar nos "trilhos do Lobo", no Rossio ao Sul do Tejo.
A manha começou por volta das 7 da matina onde tive a companhia do Luís, do Vítor e do João.

Esta prova alem das pedaladas também tinha como objectivo a angariação do maior numero/quilos de tampinhas plásticas para ajuda de uma prótese de uma menina que nasceu com um problema num braço. Nos arranja-mos cerca de 25 garrafões da agua de 5L cheios.
A chegada foi perto das 8h:30m onde já muitos aguardavam a partida junto há manga, nos ainda iríamos levantar os dorsais, onde o saco trazia um bidão, umas pastilhas, um chocolate, uma caneta, porta-chaves, e papeis, nada mau para quem pagou 14€.


Rapidamente nos equipamos e passamos pelo controle 0, já perto da hora da partida, mas sem stress, pois desta vez iria participar na distância maior anunciada de 64km, bem como os restantes companheiros do SDT. 
A meia-maratona só teria cerca de 30km, o que era pouco para quem gosta de andar de bicicleta e ir de carro fazer 200km para depois fazer ao fim de uma hora e pouco estar despachado era fraco, pois as minhas condições físicas, mesmo sem estar em forma permiti-me fazer na boa 60km e em ir há pequena só estava a demonstrar que estava interessado em fazer um bom resultado...

A partida foi dada ha hora certa onde em conjunto com o Vítor percorremos os kms iniciais em ritmo mais baixo, ultrapassando mesmo assim muitos atletas, o João fugiu logo para a frente. Com os primeiros kms constatei os trilhos com muita areia e pedra solta, mais um rápido possível desgaste físico neste tipo de trilhos. 
A um ritmo mais baixo onde mantive as pulsações abaixo das 160 fui ganhando lugares atrás de lugares, chegado a divisão dentro dos 15 primeiros, depois vieram uns bons quilómetros em estradão, onde ia pedalando e vomitando ao mesmo tempo, talvez por não ter feito bem a digestão na anterior noite, mas consegui m ir aguentado sem bolsar tudo o que tinha no estômago. A meio do percurso apareceram mais umas subidas com muita pedra e uns singles brutais... 
Ultimo single, muito tecnico

Cerca do quilómetro 55 no último abastecimento apanhei o meu companheiro de equipa João que ja tinha levado com o homem da marreta. Em conjunto com ele tentei continuar, mas ficou-se para traz, continuei em bom ritmo a pedalar com mais duas subidas inclinadas pela frente ate chegar ao ponto mais alto com uma vista brutal sobre Abrantes onde já os percursos estavam de novo juntos ultrapassando ainda pessoal dos 30km. Dai ate chegar a meta foi a pique a descida brutal sempre a fundo onde com quase 69km e um acumulado que rondou os 1000m, cortei a meta em 13º entre 81 participantes na distancia maior com o tempo de 3h:13m. Muito bom para mim pois não senti o homem da marreta nem as cambrias me fustigara muito. Foi um bom treino para ganhar forma física (ver classificação).

Fui aguardando pela chegada do pessoal SDT na companhia do pessoal do Sardoal e ainda malhei duas imperiais e um cigarrito. Perto das três já de banho tomado fomos almoçar onde tivemos de aguardar pelos grelhados, pois já éramos dos últimos por tarde chegada do nosso companheiro Luís. Depois de almoçar confraternizamos com o pessoal da organização.

Fica mais um bom evento com pessoal muito simpático e prestável, os trilhos também são muito agradáveis e diversificados, tirando a quantidade de pedra solta..
Foto do dia

Uma amostra das tampas que levamos, no banco de trás ainda havia mais..


06 setembro 2011

VII Passeio por "Trilhos de Mombeja"


Após cerca de dois meses parado da lides do espírito de competição, muito por culpa da escassez de provas, e a semelhança da data, eis que resolvi voltar as pedaladas.

Á semelhança do ano passado voltei a escolher Mombeja, porque tinha estado presente na anterior edição onde alem de ter adorado toda a organização e simpatia sabia que ali iria encontrar muito pessoal amigo destas andanças. A manha começou sedo, cerca das 6 da matina onde mais dois elementosdo SDT me acompanharam, foi o Vítor e o Pato.
A chegada foi cerca das 8:10 aldeia de Mombeja, onde voltei a reencontrar alguns amigos. Nas calmas fomos levantar o dorsal sem demoras e com um secretariado muito eficiente, onde no saco vinha uma pesada estatueta alusiva ao evento e mais alguma papelada e porta-chaves habituais destas coisas.

Antes da hora da partida posicionei-me na segunda fila da manga até á hora da partida, onde percorremos algumas ruas da aldeia, voltando a passar na zona da meta e aí sim foi "prego afundo", onde nos rápidos e primeiros kms persegui logo a traz no grupo da frente com cerca de 20 atletas, sempre em grande velocidade, já que os primeiros kms eram muito rápidos, com sobe e desce muito curtos e uma grande média.

Entre os km 15 e 25 surgio a maior dificuldade com o surgimento de algumas subidas maiores e onde estava concentrado o maior acumulado, que no final rondou os 600m. Nessa parte mais dura consegui recuperar mais 4 a 5 lugares bem como me distanciar mais para o pessoal que vinha na roda, e após essas subidas vieram os últimos 15km com grandes estradões muito rolantes onde ainda avistei o pessoal da perseguição dos primeiros 3.

Todo "arrebentado"..
De um momento para o outro fiquei com a sensação de estar perdido pois deixei de avistar o pessoal da frente, bem como o de traz muito por culpa do "homem da marreta" e ainda faltavam 10km onde as pernas já eram... e o sacrifício era imenso em não perder lugares. Para ajudar á festa passamos pelo meio de um milharal completamente cheio de lama, onde as bikes deslizavam por completo e mal a consegui segurar.., ao ponto da cassete e corrente ficar completamente carregada de lama e as mudanças irem constantemente a saltar, mais uma ajuda para acabar com o resto . Ate a mudança de percursos o pessoal que vinha atrás rapidamente se colou a mim até a mudança. 

Há mudança ainda tinha pensado em ir aos 70km, mas já não tinha pernas para mais 7km, quanto mais para 30km. Após a mudança ainda acabei por ser passado por dois atletas, onde o ultimo ironicamente me disse "companheiro, hoje nem nos 10 primeiros ficamos…", mas não acreditei pois tinha uma ideia dos que tinha há frente só que desconhecia era que só tinha ido 4 para os 70KM. Nisto olhei para traz e não tinha mais ninguém na roda respirando assim de alivio pois a meta estava perto e eu completamente rôto.
Ao fim de 01h:41mim terminei os 45km em 12º, entre 214 participantes na mesma distância a 7 min do primeiro.(ver classificações).
O trio SDT em Mombeja.
Esperei um pouco e chegaram logo os meus companheiros do SDT, onde nos dirigimo-nos paras lavagens das bikes. Depois foi a nossa vez e antes do almoço ainda fomos bebendo umas imperiais para abrir o apetite e conversando com o pessoal.

O almoço á semelhança do ano passado muito bem servido pelo pessoal da terra em quantidade, variedade e qualidade na companhia dos amigos dos Cocheiros. Com alguns imperiais Tagus á mistura o chofer para Estremoz foi o Vitor.

Em suma fica mais uma bela organização simpatia e uma péssima prestação da minha parte.

Há dias assim...

27 junho 2011

IV Raid "Cidade de Beja"



Na passada quinta-feira dia 25 (feriado) tive um desafio importante, que foi a ida a Fátima, cerca de 165km, que percorri na bike de estrada com mais 4 amigos. Foi uma volta bastante agradável e que conclui sem quais quer problemas físicos, foi só mesmo o desgaste de muitas horas em cima da bike.

No domingo seguinte já estava apto para o IV Raid "Cidade de Beja", onde fui na companhia da minha namorada e do casal e filha "Calimero". Partimos em direcção a Beja cerca das 7:00 da matina já com a cafezada bebida, para este dia esperava-se muito calor com as previsões de 40 graus. 
Á chegada fomos logo levantar os dorsais na sede do Despertar, onde o saco vinha muito pobre, apenas com uma pala paro o vidro do carro e uma garrafa de azeite...
Fomos nos equipando e dirigimo-nos para a zona da manga da partida, onde o pessoal ia circulando de lado para lado de bike.

O calor já se fazia sentir e a partida foi dada alguns minutos depois da hora, partindo da segunda fila o meu objectivo era ir gerindo a distancia para o grupo da frente que se formou logo ao inicio.

Nos primeiros kms muito rápidos comecei a pagar os kms da ida a Fátima e comecei a me distanciar cada vez mais para traz do grupo da frente com cerca de 15 atletas.. Tentei dar o máximo para não me atrazar mais ainda nem ser passado pelo pessoal que vinha mesmo atrás de mim, mas não estava a conseguir e só o que me apetecia era encostar para o lado e desistir.., pois a pernas parecia estar "perras". Cerca do km 15 comecei lentamente a recuperar a cadencia e ao poucos e pouco comecei a me sentir melhor e com uma grande pujança e com tudo isto a passar pessoal. 
Agora um, dois quilómetros mais a frente, outro participante… atá ao quilometro trinta numa seara onde avistei um grupo de 4 atletas a minha frente, mantendo a elevada pedalada consegui alcança-los e de imediato ultrapassa-los numas subidas curtas que surgiram no percurso.. 

Dali atá a mais 2 atletas que estavam á minha frente foi uma "saltada".., onde assumi a cabeça do grupo sempre com uma forte e incansável pedalada, deixamos logo um para traz, ficando sozinho com o Galácio, onde ele me acompanhou quase sempre na roda (excepção de uma passagem de estrada que me enganei e que segui em frente), mas rapidamente o voltei alcançar, chegando juntos os dois ao fim de 54km, onde a entrada da recta da meta, desconhecendo as nossas posições entramos lado a lado numa ponte passadiço de um lago num jardim em Beja onde "discutimos" ate á meta, (ao fim da ponte) com cerca de 1,5m de largura por 80m de comprido a posição, que por centímetros alcancei o 2º lugar com o tempo de 02h:02m mais 3 que o primeiro entre 132 participantes e fazendo com que o publico presente ficasse ao rubro com espectacular e vibrante sprint. (ver classificações)

Momento do sprint final

Repus os líquidos com algumas garrafas de agua, e aguardei com a minha namorada e a mulher pela chegada do meu companheiro J. Garcia.
O almoço foi servido no politécnico onde fomos dos primeiros a chegar e assim a almoçar, onde estava bastante bom. Fomos aguardando pela entrega de prémios, onde ainda houve tempo para ouvirmos um grupo de cantares.



Em resumo fica mais uma bela prova onde mais uma vez provei e mostrei bem minhas capacidades física principalmente em dias de muito calor, voltando assim ao pódio com tido o mérito. Ou seria um milagre de ter ido a Fatima!!!, lol


Todas a fotos qui..

14 junho 2011

5º passeio Rota da Agua


Para este dia estavam agendas três provas das quais eu só poderia ir a uma, então a de Elvas excluía por já ter participado três vezes seguidas, a de Aguiar porque já terá participado duas vezes e por não ter companheiros SDT, então obtei pela de Ferreira, já que seria a minha primeira vez por lá e tinha como companheiro o J. Garcia.

Um pouco antes das 7:00 e já com a cafezada bebida seguimos viagem no meu Skoda em direcção a Ferreira do Alentejo...

Por volta das 8:15 sem nenhum imprevisto chega-mos a Ferreira, onde nos apressamos a equipar antes de irmos levantar o dorsal, já que a azáfama de pessoal era muita. Fomos levantar o dorsal onde já era nosso conhecimento uma jersey alusiva ao evento, bem como mais uma camisa-de-vénus, que parece ser moda lol, uma caneta, um pin e uma pulseira reflectora. Ao lado havia uma mesa com pequeno-almoço, mas o tempo não era muito e ainda tínhamos de ir deixar o saco ao carro.

Após deixarmos o saco dirigimos nos para manga da partida onde por acaso ainda circulava muito pessoal em seu redor, podendo assim ficar na segunda fila e num local melhor posicionado do que inicialmente esperava, pois sabia que pelo menos 320 inscrições estavam esgotadas.

A partida foi dada com uma volta pela vila entrando na estrada de terra batida no primeiro grupo compacto de cerca de 15 atletas.., os primeiros quilómetros foram muito rápidos entre olivais e searas com passagem por algumas ribeiras onde alcancei alguns, mas poucos lugares, pois o pessoal estava muito junto e ninguém queria ficar para traz.. 

Mais ou menos ao quilometro 16 assumi a cabeça de um grupo de 5 ou 6 atletas, onde percorremos alguns quilómetros em volta da barragem de Odivelas com um trilho técnico e de bastante pedra onde continuei a prego mais alguns quilometros, até a uma subida curta mas de muita inclinação na aldeia de Odivelas, ficando aí só com elemento e um á nossa merece, que por acaso era o irmão e companheiro do atleta que seguia na minha roda á minha "boleia"..
Com tanto esforço feito por mim, aconteceu o que já era de esperar, comecei a ter uma quebra, talvez pela falta de descanso e excessos da sexta-feira anterior, pois comecei a pagar o esforço feito em cabeça de grupo.
O meu companheiro de roda apanhou o irmão e seguiram ate apanhar mais um elemento que andava mais á frente.., eu apenas me limitei a os ir vendo juntos talvez a uns 300m a minha frente ate a chegada a Ferreira com 48km desta vez em 5º lugar com o tempo de 01h:45m a três minutos que o primeiroTodo o percurso esteve bem marcado/sinalizado.

Após chegar voltei para traz percorrendo alguns quilómetros em sentido contrário ate encontrar o meu companheiro de equipa para lhe dar alguma força ate á chegada.

Como despachamos rapidamente fomos dos primeiros a chegar ao local do almoço onde antes bebemos umas frescas e comemos uns aperitivos.

O almoço fora bastante bem servido e saboroso onde recuperamos as energias.

30 maio 2011

VII Raid "Por Terras do Mato"



Desde que comecei a participar em provas que me lembro dos papeis pequenos verdes a fazer pub ao raid do Ferrobico, mas por surgimento de outros eventos mais perto de casa este tem ficado em stand bay ate este ano.. 

Acompanhei-me com mais sei elementos SDT (J. Garcia, L. Bilro, P. Guerra, J. Lopes, G. Lopes e A. Beja Neves) e a Lúcia. O encontro ficou marcado as 6:00 da matina, onde na sonap reunimos e seguimos viagem em direcção a Cabeça Gorda. 

A chegada foi perto das 8:00 onde levantamos os dorsais com 2 sacos que traziam uma garrafa de vinho, um óleo da Lancar, um porta-chaves, uma camisa-de-vénus lol, canetas e uma estatueta que penso em gesso muito bonito com um sombreado de um betetista. Mesmo ao lado fora servido um bom e diversificado pequeno-almoço.

Nas calmas fomos nos equipando já que ainda faltava algum tempo para a partida e o carro estava perto da manga. Dirigimos nos para a manga onde ainda não havia muito pessoal, já que eram esperados cerca de 500 participantes. Antes de ser dada a partida fomos ouvindo o spierk incansável e já nosso conhecido de outros eventos...

Em ponto foi dada a partida para um percurso que já houvera dizer de ser muito rolante, onde nos primeiros 10 quilómetros rolamos a mais de 40km/h e onde segui no primeiro grupo com cerca de 25 betetistas que ficara inicialmente partido e rolamos ao estilo de ciclismo, ate surgir as primeiras subidas que quebrou mais o grupo.. 
Cerca do km 10 surgi um pinhal/eucaliptal com 4 a 5km, grande parte dos trilhos em zigue e zague (curva para direita, curva para esquerda em cotovelo e em grande velocidade), onde ultrapassei o grupo que se formara antes com 7 a 8 atletas, assumindo a cabeça do pelotão e entrando num espectacular single muito técnico com gado sempre presente e sem se assustar, onde ganhei alguns segundos só que distraidamente continuei o single onde alguns metros á frente constatei que estava enganado ao avistar o pessoal mais atrás a subir uma "parede". 
Voltei para traz de imediato e ao longe avisei o grupo que segui a traz de mim da direcção correcta do percurso.... 

Minha MCS recomposta da ultima masela...
Ao chegar ao inicio da subida la se foram os 7 ou 8 lugares que tinha conseguido anteriormente. Continuei no grupo, mas novamente atrás onde lentamente voltei a recuperar alguns lugares. 

Nos 6 quilómetros finais e após a mudança dos percursos limitei-me a ir avistando os 3 betetistas e o rolar colado na roda de dois que seguiram a minha frente ate a meta onde mais uma vez após 44km obtive o lugar habitual de 6º, com o tempo de 01h:45m, menos dois que o primeiro entre 366 participantes na minha distância e com uma velocidade de quase 26km/h, espelho do percurso muito rápido e espelho de ser um atleta regular, não é para todos...lol

Aguardei a chegada dos meus companheiros onde antes ainda bebi um mini e fomos lavar as bikes e nos...

Finalmente veio o almoço que fora servido ao ar livre em self-service com muita variedade e qualidade assistindo a música ao vivo muito animada com o Jorge Nice.

O amigo Nuno do BTT-TV, sempre com grandes foto reportagens





Em suma fica um dia muito bem passado com uma excelente organização onde toda a aldeia reúne forcas para proporcionaram um excelente prova de btt se não uma das melhores do baixo Alentejo.

Foto do dia... (mais fotos aqui)





23 maio 2011

II Maratona "Por Terras de Seareiros"


E já vai tres semana desde minha última aventura em BTT e que aventura...

Neste fim-de-semana foi a vez de ir estrear o meu quadro restaurado e testado na 2º maratona na aldeia de Forros Vale Figueira (Montemor-o-Novo).

Pela primeira vez estava tudo agendado para ir sozinho, mas á ultima da hora convidei um amigo para me fazer companhia, o Tabarra pois podia haver um azar qualquer e é sempre bom ter alguém. O meu pessoal SDT foi para Raid de Alvalade/Porto Covo e eu preferi ir novamente a Forros, pois a prova do ano passado troce-me boas recordações :-).

A chegada foi perto das 8:00h onde me encontrei com o pessoal amigo destas andanças e como os novos representantes do SDT, o Manuel Semedo e o Telmo Gomes. 
Levantei o dorsal 81 onde trazia uma t-shirt e um bidon e foi calmamente me equipando.

O amigo Tabarra que me fez companhia
Antes da partida foi brincando e conversando com o pessoal onde no total de três distâncias estariam cerca de 250 participantes a partida.


Quando a partida foi dada e eu estava distraído, perdendo logo alguns lugares bem como nos quilómetros iniciais do percurso que foram muito rápidos onde o pessoal foi rolando a grandes velocidades e em grupos.

A maior dificuldade inicial foi a grande quantidade de areia que eu não estava nada a espera e que apesar de andar bem neste terreno fui me ''levando nas rodas'' uns dos outros e me atrasei gradualmente para os da frente. 

Assim fui ate ao km 25 onde o percurso melhorou no piso embora sempre com muitas valas, regos e passagem por ribeiros com muita agua e foi aí que finalmente comecei apertar mais comigo e a conquistar lugares atrás de lugares com o aparecimento de alguns singles técnicos em subida. 
A 10km do fim dei tudo por tudo, o que ate ali não tinha feito, onde numa seara escolhendo um trilho paralelo passei cerca de 4 a 5 bettisas seguidos e alcançando visivelmente mais dois a frente, embora com a consciência que os que tinha passado na seara viriam na minha roda. Mantive o ritmo altíssimo embora começasse a temer que não era capaz de o manter-lo por 10km ainda consegui alcançar mais um atleta e fique com o pressentimento que estaria na 3º posição. 

A entrada na aldeia já não avistava ninguém para traz nem para frente estava um membro da organização que me disse ser o 6º que me desmoralizou, mas já não havia nada a fazer se não cortar a meta onde a tradição este ano se tem vindo a manter do 6º lugar com o tempo de 01h:53m entre 151 participantes a terminar os 43km (ver classificação). Ao menos desta vez não cai nem estraguei material.

Fiquei por ali um bocado aguardar a chegada de mais pessoal e fui aos banhos, o da minha bike e meu.

Ao almoço juntei-me com o estreante nestas andanças Semedo, onde com o Tabarra almoçamos e convivemos num excelente almoço de porco no espeto e algumas tagus.

Fica em resumo mais uma belíssima prova do pessoal do FVF, ao qual deixo o meus parabéns.

02 maio 2011

1º Raid BTT Caça Brava



Para este dia estava dividido entre a maratona Barquinha e esta.., acabei por optar por Santa Cita já que dois companheiros meus do SDT, o Calimerio e o Luís vinham aqui participar, achei que não tinha grande lógica eu ir sozinho uns kms mais abaixo á Barquinha...

A chegada foi cerca das 8h:20m ao local onde seria o almoço e levantamento dos dorsais, estavam antes de nós cerca de 10 pessoas a levantar o saco com dorsal que fora processado muito lentamente. 
No saco vinha o dorsal em papel autocolante, uma caneta e um pólo da Caça Brava, o nome da reserva de caça que organizou este evento. 
Por volta das 9:00 horas fomos para o local onde seria a partida/chegada a cerca de um km de distância do local do almoço, onde cerca de 50 participantes iam aquecendo as pernas as voltinhas, embora fossem poucos, eram bons pois como chamariz a havia prémios até ao 10º lugar. 

Cerca das 9:25 lá foi dada a partida para a distância de 25km e 50km, esta ultima que se adivinhava difícil, pois a altimetria apontada era de 1400m. A manha estava muito enublada e com aspecto de chuva onde com os primeiros quilómetros de sobe e desce curtos a maior dificuldade com que eu não contava, foi a enorme quantidade de lama, pois não fazia ideia como estava tão pesado o terreno. 

Fui dando o meu máximo e rapidamente fiquei nos cinco primeiros, ate que o travão traseiro me começou a travar muito em baixo e como resultado da grande quantidade de agua no piso, pensei logo que as pastilhas já tinham ido há vida…
Para não estragar o disco pensei em utilizar somente o travão da frente e só em caso extremo o traseiro ., contudo não demorei muito a me espalhar numa curva com muita areia, onde ate os bidões e o conta-quilómetros me saltaram no quilometro 19. Levantei-me um pouco "apardalado" com uns arranhões e ao mesmo tempo passa por mim um participante que eu sabia já o ter deixado para traz ao inicio, vindo de um trilho paralelo ao do percurso (atalhar), e que nem ao menos teve a consciência de perguntar se precisava de alguma coisa, o que me deixou ainda mais chateado face atitude dele.

 Retomei o percurso juntamente com o Fernando Silva que vinha atrás de mim e estavam com problemas no espigão, onde baixei o ritmo e seguimos os dois ate que deparei com uma enorme mossa no quadro e ate a tinta estalou devido ao impacto com manipulo da mudança dianteiro e a manete de travão.. ,mais chateado ainda fiquei.. “Ai a minha branquinha, porque é que eu não fique em casa!!!” era o meu pensamento.

Prosseguimos pelo continuado sobe e desce por trilhos muito agradáveis, tirando o enorme lamaçal por vezes completamente impossível passar, com muitos singles técnicos e as más marcações de percurso que fez com que nos perdêssemos algumas vezes. Passados mais uns quilómetros onde pedalei sempre com o Silva fomos apanhados por mais dois atletas, onde um deles após fazer alguns quilómetros connosco aproveitou mais um erro na marcação e abalou para nossa frente. 

Cerca de 10km para o final carreguei nos pedais estando a sentir-me bem fisicamente e com sentimento de revolta pelo sucedido, acabei por deixar para traz os meus companheiros e ainda alcancei outro participante, onde fiz cerca de 3km com ele a puxar até a meta, concluindo quase 60km na 6º posição com a diferença de 1 minuto para o 4º classificado com o tempo de 02h43m.., o que para mim foi bastante bom, pois com tantos percalços..

Local da pancada
Fiquei por ali mais algum tempo onde o pessoal foi chegando com muito tempo espaçado.

Lavei a bike nas calmas, tomei duche de água fria onde os existia apenas um chuveiro ate que finalmente apareceu o Luís que se tinha enganado também no percurso e acabaria por fazer quase 70km, bem como a seguir o João também com um engano...

Finalmente lá fomos almoçar na sala bastante agradável e muito acolhedora do Caça Brava em camilhas, bem comidos e bebidos sempre com pessoal muito prestável, onde no final recebi uma bem merecida salva de prata.., e onde o Sr. que passou por mim atalhar acabou no 3º lugar quase com o mesmo tempo dos primeiros.., porque seria!!!, mas as atitudes fica para quem as pratica, pode ser que um dia seja ele a precisar de ajuda…


Entrega da Salva em prata


Em resumo fica a boa vontade de quem organizou, um excelente percurso, tirando o S. Pedro que não foi amigo, com muitos e espectaculares singles, onde a marcação foi fraca e com muitos e muitos quilómetros sem se avistar "viva alma" onde acabou por ser o meu baptismo de queda..



28 março 2011

III Maratona Pedais do Raia

Pela terceira vez estive presente em Mora para a III Maratona, desta vez com mais 16 elementos SDT que me fizeram companhia, alguns familiares e a minha namorada. A manha começou com a reunião do grupo as 7:00 da matina na Sonap, local onde a caravana partiu em direcção a Mora, pelo caminho ainda apanhamos alguns chuviscos, o que não era um bom prenuncio...

Chegamos, dirigimos as viaturas para o local dos banhos já que ainda ficava longe do local da partida. Fomos equipando enquanto o C. Bilro foi fazer o levantamento dos dorsais do pessoal. No saco vinha uma tradicional bilha em barro. 

Nem quase que cabiam todos na foto...
Perto da hora fui para a zona da meta onde já havia muitos participantes a minha frente á espera da partida que foi dentro da hora marcada e debaixo de uma chuva miúda partiram mais de 400 participantes para três distâncias. O passeio de 20km, a meia maratona de 40km e a maratona de 70km. 

O inicio do percurso foi de sobe e desces com zonas de muita areia ate ao aparecimento de um bonito e técnico single onde apanhei um participante mais cauteloso que me fez perder alguns segundos preciosos. 

Fui rolando e passando mais alguns participantes mas com muita dificuldade, pois eles não descolavam da roda e o que iam a minha frente dificilmente os consegui alcançar, concluído que o pessoal está cada vez melhor preparado fisicamente e andar mais... Não abrandei e ainda consegui passar mais três atletas como uma paisagens muito diversificada e bonita, passagem por mais alguns singles e uma zona muito rolante de pinhal, com um piso bastante compacto, apesar da chuva. 

Mas a parte mais difícil estava reservada para o final quando já se avistava Mora com uma serie de 4 a 5 subidas com um piso completamente impossível de pedalar, com muita lama que se colou aos pneus e ao triângulo da pedaleira e que acabou por bloquear por completo as rodas ao ficar com mais 2 a 3 kg de lama. Na ultima subida com as mão lá tirei alguma parte da lama e voltei novamente á "carga", pois estava a ganhar vantagem para o participante que seguia á minha frente, mas sem o "agarrar" acabei a prova embora quase apanha-lo.., mas faltou esse quase!!. 

O meu novo travão..

Ao fim de 01h:58m, terminei no 6º lugar mais uma vez a 4 minutos do primeiro, entre 275 participantes a terminar. Todo o percurso esteve bem marcado e sinalizado. 

Esperei mais um pouco pela chegada de alguns companheiros e fomos lavar as bikes, onde esperamos cerca de uma hora. 

Após as bikes foi a nossa vez e depois e depoais o merecido almoço onde a comitiva SDT se dividi-o em 3 camilhas e repusemos os líquidos/sólidos em mais uma bela tarde de convívio...