08 novembro 2013

Gosto, dedicação e evolução no desporto..

Na vida até morrermos estaremos sempre em constante aprendizagem, por vezes até com os nossos próprios erros.

Resolvi escrever este artigo onde irei partilhar a minha vida desportiva, evolução, retardamento, minhas voltas de bike de estrada, bike de BTT entre outros exercícios físicos que pratico regularmente. Começando pela simples explicação e minha opinião pessoal de eu dizer que pratico exercício físico regularmente e não lhe chamar "treinar"... 
Para começar não tenho nem nunca tive treinador, alguém que me oriente ou me diga o que tenha ou não a fazer, como o fazer, o que tomar, o que não devo beber ou comer, etc..
Todas aquelas paneleirices que ouço comentar de quem leva mais "a peito" os treinos desportivos. Como tal considero-me uma pessoa autónoma e faço o que acho ser o melhor para me sentir bem fisicamente e mentalmente, algumas das vezes possivelmente faço mal, abuso mas faço á minha maneira, não ao que outros dizem, ou dos "livros", revistas, net etc..


Minha primeira aparição no BTT em Abril de 2007
Comecei no BTT em Abril de 2007 onde participei na meia-maratona de Estremoz na distância de 50km, onde o meu peso na altura era cerca de 87kg. Sem qualquer andamento, experiência e muito menos conhecimento básico do BTT, apresentei-me na minha Scott de 15kg, de ténis e um capacete do tempo da Maria Cachucha. O meu único andamento de bike era de casa para a loja e vice-versa. Escusado será dizer que levei um empeno brutal, com os últimos quilómetros percorridos praticamente ao lado da bicicleta devido a fraqueza e cansaço. Mas com o espirito de sacrifício consegui acabar a prova entre os 60 primeiros, ficando impressionado com a magnífica beleza da Serra d' Ossa e com o espirito betetista.




Esboço por mim criado do logótipo SDT
Voltas domingueiras sempre muito animadas...

Foi nessa mesma prova em que na partida conheci os primeiros elementos e posteriormente fundadores do grupo Sobe e Desce Team. No domingo seguinte á prova estava de novo na serra com esses mesmos amigos onde nas primeiras vezes o maço de tabaco era mais um objecto a levar na jersey, quando parávamos para comer uma barrinha eu queimava um “prego”.

Na altura já frequentava o ginásio durante a semana, mas com o objectivo de criar "cabedal", força de braços e peitos, nunca viria a imaginar em largar o “trabalho” da cintura para cima e começar a trabalhar o da cintura para baixo..


Ai que grande empeno.., mas consegui terminar;-)
Em 2008 participei nos 100km da maratona de Portalegre onde o objectivo era terminar, bem como nesse mesmo ano todas a provas onde participei fora sempre na distância maior.

"O Final foi feito por mim completamente esgotado, rôto, arrebentado mas com forças ainda para fazer as ultimas subidas em cerca de 7km até ao Jardim de Portalegre onde fora a meta, ultrapassando pessoal da meia maratona, pois os percursos juntavam-se novamente no final. Eu dou com a quantidade de pessoal tudo a  a subir ao lado das bikes... e saber que só tinha pedalado 54 km e estavam naqueles estado de "esvaecimento", o que me deu-me uma força psicológica para o resto que faltava, sempre montado na minha Scott de quase 15 kg após 97km e fazer os 102km até há meta. 

Onde só conclui um objectivo que tinha pois foi o termina a prova. 
As 5:00 horas passaram a ser 05h:40 os 200 primeiros a 203º....mas acabei sem quedas e problemas de maior... "


O primeiro dorsal do Troféu de Évora 2009
Minha nova maquina MSC

Em 2009 já tinha perdido cerca de 13kg da minha massa gorda e já tinha trocado a Scott por uma MSC. No início desse ano participei na primeira edição do trofeu de Évora, concluído quatro provas das cinco, no 7º lugar do meu escalãoMas o melhor resultado desse troféu ainda estava para aparecer, com a grande preparação que por lá ganhei, amizades, experiência e muita técnica (ganhei para um bom "kit de unhas").






Minha primeira grande vitória em Elvas
No início desse verão resolvi 
seguir o conselho do meu pai que me disse para eu deixar de participar nas distâncias maiores e começar a participar nas mais pequenas. Ao que parece ele tinha toda a razão e em pleno verão conquistei o primeiro lugar do pódio na vitória dos 55km em Elvas, logo a seguir a este mais alguns surgiram sempre nas distâncias mais curtas. Afinal o meu pai sabia onde estava escondido o meu potencial, provas de curtas distâncias umas das causas. O meu melhor desempenho tem a ver com a falta de preparação para bons resultados nas distâncias maiores já que o meu horário de trabalho não me permite preparar para longas distâncias ao contrário de muitos outros atletas desta andanças..


A nicotina continuava a ser o meu aquecimento pulmonar preferido
 Em 2010 continuei a subir aos pódios, mantendo a minha imagem de marca em fumar antes e depois das provas, deixando muito pessoal incrédulo com minha resistência. Penso que o meu segredo estava e está na minha capacidade psicológica de sofrimento, pois durante os meses de Inverno e Outono poucos quilómetros de bicicleta pedalo, apenas nas aulas de spinning uma vez por semana e mais uns cardidos no ginásio.

Em 2011 os pódios começaram a ser uma miragem e minha prestação nas provas já era conhecido pelo 6º, na generalidade das provas em que participei nesse mesmo ano conclui praticamente sempre na 6º posição.
Mantendo os mesmos exercícios físicos dos anos anteriores (Segunda- folga; Terça- ginásios e spinning, Quarta; as vezes piscinas; Quinta- ginásios; Sexta- relax; Domingos- prova ou volta com o pessoal SDT), excepção para alguns domingos que quando não ia com o pessoal SDT ia dar uma volta maior de bike de estrada fazer quilómetros.

O meu fast recovery preferido até aos dias de hoje..
Mantendo os mesmos exercícios dos anos anteriores, bem como mantendo a vida boémia e de tabagismo, algo estava a falhar. Conclui que não era eu que estava pior., o pessoal é que estava muito melhor.., possivelmente a falta de emprego também ajudou, havendo cada vez mais pessoal andar/treinar, mais dedicados ao BTT.. Mesmo assim ainda consegui arrecadar dois trofeus, mas muito longe do anterior ano.

Início de 2012 resolvi perder a "cabeça" e ao contrário do que muita gente poderia imaginar e acreditar comecei o ano deixando de fumar, mas nunca as belas das cervejolas.

Acreditando que o ano de 2012, após o tabagismo seria o meu ano de voltar novamente aos pódios, continuando eu os meus exercícios físicos da mesma maneira como no ano anterior, com excepção ao ter acrescentado a corrida mais intensa e em maior número de vezes. A corrida além de ser um excelente exercício de pernas era uma grande ajuda para "limpar" os pulmões já que as voltas de bike eram poucas ou nenhumas.

No final de Fevereiro tanto abusei na passadeira a correr que comecei a sentir uma dor muito forte na virilha que rapidamente me obrigou a por pausa a corrida. Numa ida ao médico de família, sem exames médicos, diagnosticou-me uma hérnia inguinal..., sendo a solução proposta pelo médico, fazer a minha vida normalmente, se agravar (rompimento da parede abdominal) então aí teria de ser operado.
Mas para mim a vida normal á fazer todos os exercícios físicos que gosto e me dão prazer e sendo, assim sendo a corrida acabara por ficar de fora dos meus planos devido as dores que sentia, ou por vezes até com um certo movimento no dia a dia.

Em Março comecei as provas de BTT onde os resultados finais falharam minhas expectativas, com péssimos resultados, tendo o mural ficando em baixa. Então grande sacrifício do início do ano em deixar de fumar não se estava exprimir em bons resultados. Vários amigos me alertaram que devia ter mais paciência e saber esperar, pois não é de um dia para o outro que os resultados aparecem.


Eram só mais 7 kilos de gordura..eheh
No inicio do verão comecei a notar a minha barriga aumentar e com ela a massa gorda. É verdade que as cervejas tinham uma certa percentagem nesse resultado.., mas foi coisa que sempre bebi... Então a culpa estava virada para uma das consequências habituais de quem deixa de fumar.
Sem saber o que fazer para combater o aumento de peso, tive que me rebaixar e começar a tomar o que eu chamo de "drogas", (suplementos desportivos), esses para ajudar na perca de peso, foram eles o CLA, Extreme Cut Explosion e L-Carnitina.
O CLA acabou por ser o meu preferido e único suplemento que tomei cerca de oito meses.





Em meados do verão, sendo altura com mais calor seria a melhor fase para perder peso, onde as voltas de bike depois das 19:30 estavam de volta, mas a queima das gordura não me estava ajudar nesta luta contra a balança.

Resolvi combinar com um velho amigo a experimentar ir correr novamente apesar do receio da dor voltar, pois já tinha passado cerca de 3 meses. Devagar na mesma semana corri 7 km e na segunda já fui sozinho, aumentando o ritmo, só no final da corrida é que sentia dor na virilha mas suportável. Dor essa que foi desaparecendo lentamente e no final do verão já conseguia correr 17km..
Finalmente estava num bom caminho para a perca de peso, pois os bons resultados passam também pelo peso.

Em Outubro participei na que seria a ultima prova de 2012 onde me deparei com um outro obstáculo a transpor.. as bike roda 29er...


O meu CLA.. (correr, correr e correr.., com sinta)
Com os dias a anoitecerem mais cedo, estava de volta ao ginásio duas vezes por semana, uma das vezes era spinning a outra cardio. Nos dias que não ia ao ginásio, continuei as minhas corridas, duas 2x por semana distância acima dos 8km, ignorando completamente a meteorologia, pois estava focado em perder peso, continuando com os comprimidos de CLA e a bike só entrava nos domingos e não todos..

Ate final de Novembro os resultado teimavam em não aparecer na balança que continuava nos 78kg. Com o tempo mais chuvoso a prática do BTT e as provas estavam em standy by.

Inicio de 2013 continuei a minha luta á procura de retomar a minha passada forma física e onde finalmente e para meu espanto apesar de ser uma altura contraditória á perca de peso (natal/ano novo), constatei ter finalmente perdido cerca de 3kg, nunca abdicando de certos alimentos e claro muito menos da cervejolas.
Alem de querer perder peso e ganhar forma física tinha outra ideia metida na cabeça.., a 29er, pois estava a ver toda a “concorrência” a se munir das 29er para atacar o ano de 2013, como prova da minha desvantagem tinha em mente a maratona de Outubro no Alvito em que os "tractores" arrasaram completamente nas zonas planas.
Antes de perder mais dinheiro fiz contas á vida e investi na Cannondale F29 alumínio 1... Agora sim uma bike á altura, mas para isso e ao contrario de muitos tinha que fazer conta era com as minhas pernas e não com a bike..

Estreia gloriosa da Cannondale F29 em provas de BTT.
Em Março continuava as minhas grandes corridas, ginásio e aproveitava para relaxar com uma ida semanal as piscinas, procurando pessoalmente o que me fazia sentir bem e ao mesmo tempo motivado fisicamente e psicologicamente. Embora talvez subcarregado de exercícios físicos semanalmente onde o objectivo principal da perca de peso passou. Passou a ser um vício fazer actividade física.

Na falta de preparação com andamento de bike, contava com uma "carta na cartola", o meu novo amor F29 e que no início do ano me devolveu novamente o gosto pelo btt devido a um maior conforto, mais velocidade e segurança. Tinha finalmente a bike com as minhas características principalmente a rolar. Só que ainda faltava uma coisa!!.., um teste a serio que já estava agendado para meados de Março na meia-maratona de Monte do Trigo. Com o mural em alta e a barriga finalmente em baixa, reapareci, pedalei e venci. Não podia ter começado de melhor forma as provas neste 2013.


Não poderia ser melhor a minha aparição em 2013
Possivelmente muita gente não queria acreditar que o mito do Carlos Merino estaria de volta e desta vez em grande forma física, ou então tinha tido apenas a sorte de vencer, mas quando o corpo já não consegue, a alma ajuda...

Em suma até á data presente tem sido o ano em que melhores resultados tenho realizado, como chave do meu sucesso passa pela minha nova maquina, pelos muitos quilómetros de corrida que resultou na minha nova forma física, mais leve, mais forte e sem quais quer produtos. O CLA e ZMA desde Março que ficaram em suspensão. 

O meu verdadeiro CLA que me ajudou a perder peso, está escondido debaixo das minhas blusas/t-shirt/jersey.., é uma cinta com velcro que queima a gordura na zona abdominal, zona essa muito critica no meu corpo, já que bebo grande quantidade de cerveja..

Como resumo deste meu grande texto/historial e sendo uma pessoa muito sincera e honesta vou deixar aqui escrito o que para muitos chamam de treino e suplementos e substancia.


Semana sem eventos BTT durante os meses de Setembro a Abril.

Segunda: Descanso
Terça: Ginásio exercícios manutenção e 45 minutos spinning
Quarta: Corrida pela cidade
Quinta: 45 minutos de natação
Sexta: Ginásio/exercícios de manutenção
Sábado: Corrida longa ao final da tarde (mínimo 12km)
Domingo: Passeio domingueiro com o pessoal SDT ou volta de bike estrada sozinho dependendo da noitada de sábado.


Semana com eventos BTT durante os meses de Setembro a Abril.

Segunda: Descanso
Terça: Ginásio exercícios manutenção e 45 minutos spinning
Quarta: Corrida pela cidade
Quinta: 45 minutos de natação
Sexta: Ginásio/exercícios de manutenção
Sábado: Volta curta de bike de estrada com mais cadência
Domingo: Prova.

------------------------------------------------------------------------------------

Semana sem eventos BTT durante os meses a Abril a Agosto.

Segunda: Bike de Estada (cerca de 1:30)
Terça: Corrida em média com mais de 10km pelo campo
Quarta: Descanso
Quinta: Bike de Estada (cerca de 1:30)
Sexta: Bike de Estada (cerca de 1:30)
Sábado: Corrida longa ao final da tarde (mínimo 15km)
Domingo: Passeio domingueiro com o pessoal SDT ou volta de bike estrada sozinho dependendo da noitada de sábado..
  

Semana com eventos BTT durante os meses a Abril a Agosto.

Segunda: Bike de Estada (cerca de 1:30)
Terça: Corrida em media com mais de 10km pelo campo
Quarta: Descanso
Quinta: Corrida em média com mais de 10km pelo campo
Sexta: Bike de Estada (cerca de 1:30)
Sábado: Volta curta de bike de estrada com muita cadência
Domingo: Prova

Bike BTT: Só é utilizada para como meio de transporte da parte da tarde de casa para o trabalho e nos fins de semana, ou para o passeio domingueiro com o pessoal do Sobe e Desce ou então nas provas..

Bike de Estrada: Em relação as volta que faço na bike de estrada nos meses de Abril-Agosto, tento ir uma vez por semana á Aldeia da Serra e voltar sempre em red line. Outro tipo de volta é tipo á contra-relógio onde tento bater e melhorar os KOM (programa do strava), bem como este ano tenho-me preocupado em fazer cadencia sempre alta)

Corrida: Na corrida tento sempre variar nos percursos para não se tornarem monótomos. O meu objectivo é definido por mim antes da partida, onde umas vezes passa por fazer longas distancias, outras mais pequenas mas sempre com o mínimo de tempo por quilómetros…


Suplementos e bebidas nos dias de provas:  Pequeno-almoço como uma sandes e bebo dois copos de sumo ou coca-cola, antes da partida bebo meio bidon de fast recover enquanto me equipo. Nos bidons da bike levo um com água (para quando bebo os géis) e um com bebida isotónica. Nos bolsos do jersey é sempre obrigatório o MP3, cerca de 4 géis e quando á na sede, um shot e um tubo de manganésio. Após a conclusão das prova antes do almoço como uma sandes e quando tenho alguma tabanca ao pé bebo umas mini para abrir o apetite..

Suplementos e bebidas durante a semana: Quando não me esqueço, tomo diariamente um magnésio efervescente (LIDL), no ginásio cerca de dois bidons só com agua del cano, quando vou correr mais de 15 km e está muito calor levo na mão um garrafa de agua e por vezes apenas um gel..
Nas voltas domingueiras com o pessoal SDT, nos bidons, agua del cano e no jersey 3-4 barras do lidl. Nos meses de verão na curta e rápida volta de bike de estrada depois do trabalho, simplesmente agua del cano nos bidons. Quando me sinto mais fatigado e tenho ZMA em casa tomo, o CLA já faz parte do passado e para ser sincero enquanto tomei não vi grandes resultados directos de emagrecimento.



Um brinde á amizade e companheirismo..
O meu grande suplemento é na verdade a cerveja onde tendo uma vida monótona e de solteiro (mas comprometido..lol) passa pelo consumo semanal em 5 dias dos 7 da semana, em media consumo 7 jolas medias, com tendências aumentar nos sábados/feriados em que no outro dia de manha não preciso ir bulir.. 
Excepção nas noites depois de jantar que antecedem as provas.
A minha mãe e meu pai em 2009 após falecimento da minha avo..



A finalidade deste texto resume-se em partilhar, o meu rescaldo desportivo dos ultimos seis anos, da minha grande força de vontade, espirito de sacrifício e do apoio psicológico dos que me são mais querido  ..         
Minha namorada Lúcia que me acompanha quase sempre..








No meu caso em particular passa pelos meus pais, a minha namorada e os meus amigos...


Ainda existe amor á camisola... Grupo SDT 4 ever..






De forma simbólica mas sincera e sentida quero aqui deixar os meus agradecimentos a todos eles que me tem vindo a dar apoio durante estes anos.. Pois devo muito do meu sucesso e bem estar psicológico a estas pessoas que já mais esquecerei e que tem sido determinastes em algumas fases boas e mas da vida minha..

21 outubro 2013

1ª Maratona BTT "cidade de Moura"

Continuando a "politica" de pedalar só de quinze em quinze dias.., este domingo dia 20 de Outubro era fim de semana de pedalar, desta vez a escolhida foi a 1ª maratona BTT Casa do Benfica de Moura, prova que já tinha na minha agenda desde fora anunciada a promoção do evento, devido a não ser muito distante de Estremoz e ter curiosidade de pedalar por aqueles lados..

A alvorada começo ainda de noite, por volta das 6h onde aguardei que o Luís Bilro me fosse buscar, bem como depois apanhamos o A. Beja Neves na Gloria e seguimos os três em direcção a Moura, onde sabíamos que teríamos a representação de mais cinco elementos da Rota e um do SDT..

A chegada fora por volta das 8h onde o sol teimava em aparecer. Levantamos os frontais onde como brinde principal era uma garrafa de vinho. Fomos deixar o carro junto ao local dos banhos/ lavagem de bikes..
Nas calmas fomos nos equipando e conversando com alguns amigos e conhecidos que também por ali estavam. Sem grandes pressas desloquei-me para junto do local da partida, onde já circulavam alguns grupos de betetistas..

Para esta primeira edição estavam confirmados cerca de 130 atletas para as duas distâncias, na maioria para a minha de 45km e cerca de três dezenas para os 70km.
Antes da partida ouvira por alguns participantes das redondezas que choveria muito no dia antes e que se esperava muita lama e alguns zonas.

As 9:05h fora dada a partida após o briefing, onde percorremos alguns metros atrás do carro da polícia e de imediato ganhei-a melhor recuperando para uma melhor posição.
A saída do alcatrão já seguia na primeira posição, mas onde ninguém se quis poupar de inicio começamos logo a fundo para tentar dissipar o pulutao.., O amigo José Miguel foi o primeiro a dar o esticão, onde a frio o fui acompanhando com mais dois ou três atletas que não me largaram a roda.. A passagem por uma ribeira com grande caudal a maioria dos atletas fazia a pé, montando do outro lado e logo com um subida pequena frente, subida essa que sérvio para partir o grupo, eu fiquei isolado com o José a poucos metros á minha frente mas lentamente ganhei alguns segundo para os meus perseguidores mais directos.
Percorremos mais alguns quilómetros onde foi ganhando uma vantagem mais confortante mas com alguma dificuldade física, pois dava cinco ou seis pedaladas fortes.., tinha que dar uma mais fraca para aliviar a carga, pois sentia nos quadricípites junto aos joelhos uma dor… talvez devido a excesso de corrida com pouco descanso.

A descer para a vitoria desde os primeiros quilómetros
Cerca do quilometro 18 consegui colar ao Almeida numa zona de muito barro que duplicou o diâmetro dos pneus e o peso da bike. Juntos e nos apoiando um ao outro fomos até á separação de percursos, onde ele seguido para os 70km e eu para os 45km. Ainda faltavam cerca de 15km para o final e naquele ponto a dificuldade era redobrada com estrada a subir ligeiramente por meio do olivar completamente cheia de lama, onde continuava as pedaladas aos bocejos mas solidariamente onde atenção era redobrada á procura das marcações ..

Mais uns quilómetros em sobe e desce desta com piso mais seco e apareceu o ultimo abastecimento, onde parei para comer uma banana e molhar a corrente que estava cheia de lama..
Já com Moura á vista, embora ainda longe baixei o ritmo pois se não tivesse nenhum problema mecânico ou de me enganar, com a vantagem que tinha do participante a traz a vitoria estava assegurada.. Antes de terminar ainda apanhei um valente "susto" quanto a cerca de cinco quilómetros do fim o percurso se cruzava e retomava com o inicial, pois tinha uma seta num sentido esquerdo e nas costas de frente!!!.., sem a mota como referencia lembrei-me que tinha visto o track no google que o final era coincidente com o inicial, só que não sabia bem de qual a direcção, já que estava num entroncamento e havia rodados de bikes nos dois sentidos. Só havia uma solução, confiar na placa... Mais com receio de estar enganado fui seguindo as fitas até entrada de uma estrada de alcatrão, ponto esse onde era o inicio da prova e onde o carro da policia nos deixara no inicio..
A partir daí já não havia fitas ate encontrar um escuteiro que estava ao serviço da organização me indicou (e descansou) do local da chegada onde ao fim de 45km com o tempo de 01:48h cortei a meta isolado com lugar mais que merecido.
Tratamento de beleza á minha Cannondale F29
Se não tive mais concorrência directa á disputa do primeiro lugar tivesse havido, pois eu e mais cerca de uma centena de participantes estávamos lá nos 45km também e também com muita lama e onde a prova de Santarém não é desculpa para não participarem no outro dia em Moura, falo por mim já fiz dois pódios com intervalo de 14horas descanso.

Esperei pela chegada dos restantes participantes, principalmente pelo meu team..
Fomos lavar a bike onde apenas existia uma mangueira e uma fila.de pessoal á espera de retirar a maior parte do barro. Depois do banho da bike e do meu banho fomos para o parque de feiras onde fora servido o almoço servido em self-service atenciosamente por pessoal do staff..

Mais um original e bonito troféu em era da Troika..
Após o almoço houve a entrega de prémios, algo confusa e com troca de classificações entre o 2º lugar e o 4º lugar da minha distancia, mas nada que eu tivesse respeito.
Para finalizar ainda dei uma entrevista para o canal Benfica TV..

Em resumo e tendo em conta ser a primeira edição, gostei bastante, todo o pessoal da organização mostrou vontade me melhorar alguns erros, claramente por falta de experiencia e que para o ano com certeza serão corrigidos.

08 outubro 2013

V Maratona BTT Cocheiros

Este é daqueles eventos que todos os anos faz parte da minha agenda, onde conta já com cinco edições realizadas e onde apenas falhei uma, o ano passado.

Um dos motivos da minha participação em S. Aleixo da Restauração, simpática aldeia perto de Barrancos é amizade e conhecimento que estimo por alguns elementos da organização, bem como o excelente evento/ organização e os magníficos trilhos onde a palavra de ordem é dureza, mantida a tradição este ano e esperados cerca de 1200m de subidas nos 45km..

A manha/madrugada começou com o ponto de encontro ao meu portão as 6:00, onde o desta vez o P. Guerra me deu boleia. A comitiva neste carro só ficou completa com a minha namorada e a amiga do Pedro que nos acompanharam. Entretanto juntamo-nos a mais dois elementos SDT que também foram participar, o L. Bilro e o Beja Neves.

Apos a cafezada com cheirinho, já que pisei uma bosta de cão saímos em direcção a S. Aleixo. Como uma viagem bem perfumada chegamos a esta simpática aldeia ainda não eram oito horas.., onde fomos dos primeiros a levantar o dorsal.
Com tempo fomos deixar as viaturas no campo de futebol, local onde eram os banhos banhos e que fui novamente brindado com outra bosta de cão, desta vez no outro pé.

Representação Estremocense em S. Aleixo da Restauração
Vinte minutos antes da partida já nos encontrava-mos no coração da aldeia, praça principal onde fica localizada a partida/chegada. Lentamente com o passar dos minutos a praça foi ganhando mais cor com a chegada dos participantes, no total eram esperados cerca de duas centenas.

As 9:00 fora dada a partida onde descemos pela rua principal da aldeia, apanhando dois atletas mais lentos a minha frente, fez-me perder preciosos segundos para a frente da corrida, pois umas boas rodas eram uma preciosa ajuda para os duros quilómetros que tinha pela frente..
Lentamente recuperei lugares, onde a partir do quilómetro 4 estavam esperados 10km sempre a subir, e nesse mesmo início e começo da longa subida ainda consegui avistar a frente da corrida, mas não passou de uma miragem... Aqueles dez quilómetros pareciam infinitos onde solitariamente fui pedalando e avistando dois participantes que seguiam alguns metros mais atrás e outros dois uns metros mais á frente..
Sorrindo as dificuldades..
Ao fim dessa grande subida começou o meu calvário, uma seri de sobe e desces sucessivos numa zona muito bonita de pinheiros ate ao controlo, cerca do quilómetro 20, onde o amigo Marcelino me informara que era o 4 classificado da minha distância. Voltei a ganhar algum alento, mas rapidamente o perdi com mais uma sucessão de sobe e desces, tipo este de percurso que não faz nada o meu género até porque é um alimento forte para as cambrias.. Mais uns quilómetros solitariamente sem avistar viva alma naqueles cumes. Veio uma descida onde deu para recuperar um pouco, e depois mais duas duras subidas, onde a minha esperança era de encontrar alguém furado ou com uma avaria mecânica, pois assim eu subiria para o provisório terceiro lugar.. Mas ate ao final isso não aconteceu o que aconteceu foi o que já esperava, nos últimos 5km a tentar "enganar" as cambrias..

Desta vez não tive direito a pódio, mas tive direito apoio..;-)
Ao fim de 47km lá esta S. Aleixo á vista mas metros antes da meta surgio mais uma subida inclinada, desta vez em alcatrão, onde lentamente a fui subindo e cumprimentando os habitantes da aldeia, pois o 4 lugar estava assegurado onde terminei com o tempo por mim previsto 02:03...

Apos a chegada recuperei os líquidos com umas minis enquanto aguardei a chegada dos meus companheiros..

 O almoço fora servido ao ar livre com uma arrozada, bifinhos com cogumelos, salada e uma caldosa verde.. Apos o almoço convívio viemos puxando em passeio pelo Alqueva, com paragem obrigatória e na Marina da Amieira, onde apreciamos e comtemplamos a paisagem da barragem e matamos a sede, não com agua, mas sim com cerveja..


Em suma fica um domingo marcado pelo convívio, passeio e penatório na parte do pedal, onde deixo os parabéns a todo o pessoal responsável pelo V Maratona Cocheiros

16 setembro 2013

IV Maratona do Trilho do Lobo

Com poucas horas passadas após as 2 horas muito intensas da resistência de Vila Viçosa, ainda faltava o meu segundo desafio pessoal para este fim-de-semana. A IV maratona do Fojo ao Rossio ao Sul do Tejo, prova organizada por gente simpática onde preservo alguns amigos, por isso fiz questão de estar presente pela terceira vez.

Apesar de uma noite muito mal dormida, a manha começou por volta das 6:30 onde me dirigi ao Café Telheiro, local do ponto de encontro, onde tive a boleia do Sr. A. B. Neves e a companhia do C. Bilro.
Carregamos as bike e enchemos grande parte da mala do jeep de garrafões e sacos com tampinhas, já que mais um ano estava a decorrer da parte da organização a angariação de tampas plásticas para uma criança que nasceu com uma deficiência.

Por volta das 8:15 chegamos ao Fojo, local já nosso conhecido de anteriores edições. Descarregamos as tampas junto ao secretariado e de imediato levantamos os dorsais.

Dez minutos antes já tinha passado o controle 0, embora não estivesse muito junto ao pessoal da frente, estava num bom lugar para saída. Antes de começar dei por mais uma falha técnica e imprescindível para mim, o meu mp3 estava sem pilhas, sendo um dos objectos que nunca prescindo em qualquer exercício físico. Estava a começar mal a prova ainda antes de partir..

Para esta edição fiz a minha escolha na distância intermédia de 35km, pois além de não ter qualquer hipótese de pódio na distância maior o desgaste físico também era esperado.

Em serviços mínimos..
A partida foi dada á hora certa, onde seguimos por alcatrão atras de uma viatura da GNR cerca de três quilómetros, onde ganhei mais umas posições. Á saída do alcatrão estava montada uma enorme armadilha, com algumas dezenas de metros de muita areia, onde os participantes pareciam "tordos" a cair e outros a parar no meio do areal, eu como raposa velha fui fazendo gincanas por entre os participantes onde ganhei de imediato ainda mais lugares.

Os primeiros quilómetros eram esperados quase sempre a subir onde notei que as minhas pulsações estavam muito baixas em relação ao normal e que seria o primeiro sintoma do apos resistência.

Ao fim de 7 quilómetros já seguia sozinho, sem avistar ninguém nem á minha frente nem atrás, o que achava estranho. Ao passar por uma pessoa da organização disse-me a posição em qual eu seguia, e fiquei com a sensação que disse nos 15 primeiros. Segui a pensar que até não era mau, só tinha que tentar manter aquele resultado, pois estava a pedalar em " serviços mínimos".

Já cheira á meta..
Nas zonas mais rolantes e que costuma ser a minha "onda" era onde sentia as pernas mais “pesadas” e mais “agarradas” e para ajudar nas descidas não podia pedalar mais devido a um pau que entrou entre desviador e a bicha, acabando por me estragar o encache da bicha do desviador e que me deixou sem as ultima três mudanças, ainda me podia dar por feliz, pois se fosse o contrário tinha que apear nas subidas.

Ao chegar á separação cerca do quilómetro 25 existia uma picagem onde o pica, me informou que era o segundo classificado para os 35km e que o primeiro ia 2 minutos á minha frente. Ganhei nova força física pois afinal ia e sempre andei nos 5 primeiros e não nos quinze como tinha parecido ouvir antes.
Então a minha preocupação passou a ser em manter o segundo lugar nos dez últimos quilómetros que ainda tinha pela frente, com mais umas descidas, subidas, singles um pouco de tudo...


Ao fim de 01h:36m em um percurso muito irregular com um sobe, desce, a rolar, com zonas de muita areia, pedras e lixo de eucaliptos, o acumulado chegou aos 600m com uma pulsação media e anormal para mim de apenas 155 rpm, lá cortei a meta na segunda posição da geral e 1º do meu escalão, com uma enorme salva de palmas do amigo Renato e Carlos, um premio mais que merecido com os serviços mínimos assegurados.

Mais um pódio da dupla Cannondale/Merino
Por ali fiquei a beber umas minis e as lerias com alguns elementos da organização enquanto aguardava a entrega dos dois trofeus e a chegada do Carlos e do Beja Neves que participaram na distancia maior.

Apos a chegada das velhadas, onde o Carlos também fez pódio no 3º lugar de veteranos C, fomos tomar um belo duche e almoçar.

Mais uma edição de sucesso dos simpáticos amigos do Fojo Zybex, este ano com os erros da má marcação do ano passado.

2 Horas Resistência Papatrilhos

Com quinze dias sem pedalar, devido ao anoitecer mais cedo, o meu único exercício físico é agora a corrida e o ginásio. E para que não basta-se a última vez que pedalei foram a penas 18km, já que foi obrigado a desistir na prova de Barbacena devido ao descolamento do pneu traseiro. Mesmo assim quis desafiar-me a mim próprio em realizar dois eventos no mesmo fim-de-semana.

Sendo o primeiro desafio aqui bem perto, em Vila Viçosa com 2 Horas de Resistência, organizada pelos Papa trilhos. Esta prova despertou-me atenção após saber algum feedback muito positivos da primeira edição do ano passado, bem como o percurso ser realizar no castelo e zonas envolventes, tendo em conta a realização das festas dos Capuchos

Com o horário da partida marcado para as 17:00, sem grande pesa desloquei caminho de Vila Viçosa por volta da 16:15. Tive como companheiro de viagem o A. Arvana. O Guerra fora sozinho e a minha namorada fora lá ter também depois para tirar umas fotos e prestar apoio
.
As 17h com uma temperatura ainda estava acima dos 30 graus foi dada a partida para cerca de 40 atletas que se apresentaram, na maioria sócios do Papatrilhos. Os primeiros metros foram atrás do carro da GNR, para que o pessoal de dividisse melhor e se posicionar-se.
Eu sem fazer nenhuma volta de reconhecimento antes, limitei-me a ir com atenção redobrada mas sem perder a frente da corrida. Ainda antes do final da primeira volta já estávamos cerca de cinco atletas na frente.
Ainda na minha F29 a voar baixinho..

Apos a primeira volta onde o percurso era composto por cerca de 5km de piso misto. A primeira parte em volta do castelo, com algumas pequenas e curtas subidas, curva em gancho, uma descida mais técnica e trilhos apertados, a outra parte em estrada de paralelo e pelo passeio de algumas ruas, bem com descida em um alqueve.
Logo me apercebi que seria uma prova de muita intensidade, não pela dificuldade técnica, mas sim pela alto e constante trabalho de cardio, devido haver muitas poucas zonas descanso.
Lentamente os minutos foram passando e á terceira volta já seguia na segunda posição isolada com Tiago á minha frente e que mais uma vez mostrou que está em grande forma. Conhecendo minhas capacidades físicas só conseguiria apanhar o Tiago se ele tivesse algum problema mecânico, fora isso era impossível... Então a minha preocupação estava virada para outro lado de traz, manter a segunda posição, isto com cerca de 30mim percorridos já sentia um cansaço brutal e a vontade era mesmo desistir.

Mais uma volta e tentei gerir melhor o esforço, já que estava isolado era só manter o ritmo. Cerca dos 50mim de prova já estava a dobrar pessoal, só que numa zona mais estreita junta ao castelo não consegui ultrapassar um atleta, mas assim que apanhei mais espaço sai do trilho e fiz a ultrapassagem, só que era uma zona de pasto e não vi o que estava por baixo, fazendo um corte no pneu traseiro e estava novamente em maus lençóis a reviver o que me aconteceu á quinze dias...
Ainda fiz mais uns metros a ver se o liquido selava o corte, mas cada vez estava mais vazio..
Então senti o meu enorme esforço ate ali ir novamente por "agua abaixo".. Só podia ser praga…

A minha nova maquina "de Guerra"
Ao fim de alguns metro estava o meu “anjo da guarda”, o Guerra, ao qual eu pedi uma bomba para tentar encher o pneu na esperança de vedar o rasgo, ele de imediato se prontificou e em vez da bomba de ar, ofereceu-me a sua nova bomba mas sem ser de ar, a Cannondale F29 onde andava a lhe tirar os 3. Sem hesitar saltei-lhe para cima e acabei por ser eu a lhe fazer o test drive á maquina.

Não notando muitas diferenças de posição continuei novamente a prova pois ainda tinha mais de uma hora para sofrer embora não sabendo se a nível de regulamento a troca de bike não dava direito a desclassificação. Uma das passagem junto á meta apareceu-me á frente o Guerra com um alicate, o meu dorsal e umas abraçadeiras a mandar-me parar para trocarmos os dorsais, mas com tanto stress retirou seu dorsal e não sei como voltou a recolocar novamente o dele!!.. Mais uma perca de tempo para nada.
Coloquei meu dorsal dentro da jersey e com o 3º e 4º lugar a me "morder os calcanhares" segui novamente para mais umas voltas e desta vez já nem o gps tinha para me mostra o tempo de prova, pois o Guerra também o tinha removido na troca de dorsal..

Os cinco primeiros classificados 
A agua também já não tinha, pois não conseguia por o bidon no único suporte da bike debaixo da suspensão., andado com o bidon que já tinha pouca agua no bolso da jersey., estava tudo a "bater no ceguinho", ate o mp3 resolveu falhar.

Cada minuto parecia uma hora, mas mantendo o mesmo ritmo certo, mantive a mesma distância e lá consegui acabar na 2º posição ao fim de 2:09h com um total de 10 volta.


Após entrega dos prémios, que me calhou uma medalha e uma bomba de ar (por ironia do destino lol), tomei um duche rápido e vim de imediato para Estremoz, afim de não empatar e apanhar a minha bicicleta que tinha vindo com o Pedro Pereira par (ao qual eu agradeço a disponibilidade do trabalho fora de horas), pela troca do pneu para que a minha F29 estivesse novamente pronta para o segundo desafio do fim-de-semana.

Em geral gostei muito do percurso, só me resta agradeçer aos Papatrilhos por mais um excelente evento e simpatia.

02 setembro 2013

5ª Maratona barbaris BTT team

Esta foi a 5º maratona de Barbacena, organizada pelo magnífico grupo de BTT local Barbaris, onde eu estimo muito algumas amizades por lá criadas. Como tal já fazia parte do meu calendário para este do ano, onde só por algum motivo de força maior não viria participar.

Com as distancia e altimetrias finais relevadas, ainda ponderei minha participação na distancia maior de 65km, mas com o objectivo da classificação no top 5 seria mais difícil de alcançar o objectivo final, pois a minha preparação física só dá para "bombar" a maior ritmo cerca de duas horas, a partir dai.., por falta de tempo em andar mais de bike, seria sofrer para acabar..
Então mesmo com grande concorrência nesta distância mantive-me para os 40km.

A manha começou perto das sete da manha onde tive a boleia e companhia do João Garcia. Chega-mos á terra do José Lito Maia pouco passava das oito, onde de imediato fui ao secretariado levantar o meu dorsal, já que o meu amigo e colega de equipa Pato tinha ido de propósito levantar os dorsais no dia anterior e não reparou que faltava o meu (começou logo azarada a minha participação).

Apos o rápido levantamento, apressei-me em equipar e desloquei-me para a zona da meta cerca de 20 minutos antes da hora. Com a bike ensarilhada com a do Tainhas, ali permaneci junto a zona de meta a conversa com o pessoal. Para esta prova estavam confirmados mais de 350 participantes.

A partida foi dada a hora certa e após o briefing percorremos duas ou três ruas dentro de Barbacena e entramos no "calvário'.
Seguia no grupo da frente e rapidamente me apercebi da dureza dos trilhos, com muita pedra, valas/regos, curvas muito apertadas e muita areia/saibre para ajudar mais á festa.

A pedalar para os 18km
Estupidamente e fazendo contas com o piso mais rolante, esqueci-me dessas "armadilhas" espalhadas pelo terreno deixando maior pressão nos pneus. Era rara a curva em que não era projectado para fora da estrada devido á pouca estabilidade do da roda da frente, apanhando mais um valente susto numa descida perigosa, ao sair mais uma vez fora do trilho, entrei dentro de uma vala funda, a sorte foi que ela era longa e consegui parar sem cair.. Com isto tudo continuava dentro dos dez primeiros da geral e 5º da minha distancia.

Com dez quilómetro percorridos, alguns sustos e um ritmo era muito elevando não conseguindo baixar as pulsações, muito por culpa das muitas cervejolas da noite interior e  algum cansaço acumulado da semana, com todas estas “desculpas” nunca baixei o ritmo, onde já tinha perdido de vista os primeiros lugares, mas como " ate lavar os cestos á vindima"  estava numa boa posição em melhorar o 5º lugar, pois seguia na roda do 4º classificado e mesmo á frente tinha mais dois participantes a escassos metros da mesma distancia.., só o pequeno grande Diogo é que era quase impossível " agarra-lo " pois estava endiabrado.

Ao quilometro 18, seguindo eu nesse quarteto com as mesmas posições, terminou a prova para mim quando numa curva embati com a roda traseira numas pedras e ouvindo um enorme barulho, saindo o pneu do aro…
Voltei para traz, ao lado da "boneca" percorrendo o caminho inverso, onde foram passando por mim todos os participantes, onde em geral todos demonstraram vontade de ajudar, palavra de incentivo e apoio. Mas como é normal para mim a prova tinha perdido o meu interesse, só me resta agradecer a todos os que trocaram palavras de apresso, principalmente ao Carlos Santos que quase me obrigou a colocar uma câmara de ar, só que o pneu estava cheio de terra e pastos colados no líquido.

Continuei mais uns metros e lá apareceu a carrinha vassoura, já eu tinha percorrido mais de 3 km a pé com a roda de traz no ar, ao contrario do fim de semana anterior que andei com a roda da frente no ar da bike de estrada e que no final borrei habilidade com uma valente queda..lol

De carrinha em carrinha foi "saltando" ate chegar a Barbacena já passava do meio dia..
Fui para tomar um duche apanhei um enorme engarrafamento  com o meu pessoal SDT á minha espera acabei por tomar um belo duche com as mangueiras da lavagem das bike..

Após o belo duche do "homem nu".. Fomos para o almoço, servido no salão onde sentados fomos muito bem servidos, só levantávamos cu para irmos as frescas..

Em resumo pelos 18kms que percorri, só tenho apontar o mesmo defeito do anterior ano, na cor prateada das fitas, por vezes não as conseguíamos ver. Em relação as marcações no chão e setas estavam impecáveis. Penso que poderiam ter aliviado/eliminado algumas das zonas do percurso(nas terras lavradas) onde existiam muitas valas perigosas.,embora compreendo que quisessem impor maior dificuldade  


Muito mais leve sem o Race King e o liquido.. lol

Em relação a todo o grande staff, só resta dar os parabéns e agradeçer mais uma vez a hospitalidade e apoio.  Estiveram mais uma ano impecável com muito pessoal  espalhado sempre disposto ajudar com um sorriso nos lábios..

O almoço impecável, muita variedade e qualidade como sempre..


Para o ano lá estarei novamente mas antes vou á bruxa..