06 maio 2018

3º Prova TMBI Covilhã 2018


Após a segunda prova não me ter corrido fisicamente pelo melhor devido a uma virose, estava focado em voltar a subir ao pódio na 3ª prova TMBI na Covilhã.
Para esta prova, fui no dia anterior com a família e mais a família do Nélio, companheiro do SDT que também está a participar no trofeu. Aproveitado assim o sabado para o convívio e passeio ate á torre.

Domingo, saída estava marcada para as 09h:45m do centro da cidade da Covilhã, junto a Camara Municipal, onde fomos finalmente brindados no troféu com o lindo dia de sol e calor.

Para este evento a maior dificuldade para mim esperada seria os cerca de 60km anunciados pela organização para a minha distancia, já que o “motor” só esta preparado para cerca de 40km, ou menos..eheh.

Partida de “loucos” em grande velocidade atrás de uma mota da polícia, onde percorremos a descer cerca de 4km com trânsito automóvel em sentido contrário e pessoal a razal, carros como rodas das bike... Felizmente sem quedas ate a saída do asfalto onde para contracenar papamos logo uma parede, começando a dividir o pessoal.

Sentiu-me bem no início, comecei a carregar watts na subida, recuperando muitos lugares, bem como na zona posterior entre um pinhais e algumas hortas.

A saída da zona industrial de Tortosendo, cerca do quilómetro 18 fique isolado no no 7º a geral com o grupo da frente a menos de um minuto de mim.

Até parecia fácil alcança-lo, pois nunca me saíram debaixo dos olhos nos cerca de 30km que percorri a solo, com um percurso com as minhas características preferidas a rolar, zona essas muitos quilómetros em alcatrão de acesso a propriedades como em piso de gravilha, onde a media chegou a rondar os 27km/h.

Cerca do quilómetro 45 as pernas começaram acusar o esforço que acabou por ser inglório e as cambrias a dar sinal, quando fui alcançado pelo grupo que me perseguia a muitos quilómetros.
Engrenando nesse grupo ainda conseguimos “pegar” o grupo da frente por alguns minutos para mim, mas ainda tinha cerca de 10km ate ao final que se esperava a subir, subir ate á Covilhã.

E assim foi acabei por tirar “bilhete”, ficando novamente sozinho, mas desta vez para traz, completamente esgotado apenas me limitei a por a “avozinha” e terminar os 58km da prova no 14º á geral e 5º em master 35, acabando por estar gradualmente a perder pontos, em vez de os ganhar, sentido que mais uma vez tinha capacidade para melhor, mas aquele percurso de maior distancia e com termino numa secção de subidas inclinadas não eram nada o meio forte.

Em geral aproveitou-se o fim-de-semana em família e o passeio, pois em relação á evento penso que tinham capacidade para uma melhor na escolha de percurso, para mais um local mesmo encostado á lindíssima serra da Estrela. Em relação as marcações apesar de nunca me ter enganado, estavam muito fracas, para não falar na falta de segurança á partida e logística em si muito fraca.

À que acreditar na minha capacidade, levantar a cabeça para a prova de Castelo Branco que será o tudo ou nada..





29 abril 2018

Maratona CicloClube BTT Elvas 2018

Quatro anos de ausência por parte da organização na realização da maratona CicloClube BTT Elvas, este ano voltou com a distancia de 45km e 80km, contou com a participação de cerca de 300 participantes, sendo eles oito os elementos do SDT..

 Saída cerca da 7:30h da matina em direcção a Elvas, onde tive a companhia mais uma vez das minhas fâs, esposa e minha Maria Leonardo, alem da família ainda levei o André.

Com os frontais levantados no dia anterior, sempre nos poupou muito tempo no secretariado, fazendo com que cerca de 20min antes já estivesse na manga da partida, mesmo assim ainda com muitos atletas á minha frente, para variar...

Partida á hora certa, percorremos cerca de dois quilómetros em alcatrão pela cidade de Elvas, o que sempre deu para ganhar muitos lugares, mas sem conseguir ainda assim chegar á frente da corrida e nem lá perto.

Os primeiros quilómetros foram muito rápidos como eram de esperar, por entre olivais e estradões, onde deu para ficar mais perto da frente da corrida, que ficou “partida” a cerca do quilometro 12 na “serra do Falcato”, com uma subida, embora curta era inclinada e decida em single track, onde deu para recuperar mais uns tantos lugares, chegando ao quilometro 20 nos quinze primeiros da geral, local onde fora a separação, ficando isolado no sexto lugar para a distancia dos 45km.
Só que ainda tinha cerca de metade dos quilómetros para pedalar e com a maior dificuldade esperada para os últimos dez quilómetros.
Segui a bom ritmo entre estrada no meio de cereais onde ao longe por vezes ia avistando o atleta que seguia na minha frente igualmente solitário.

Solidariamente segui até cerca do quilometro 40, com a subida ao Forte da Graça um atleta quase encostou a mim, mas mesmo antes de entrar no forte consegui recuperar mais uns segundos entrando isolado dentro do forte, só que enganei-me na escolha entre as muralhas, voltando novamente a ser alcançado.. 

Antes de sair do forte, novamente uma distração e acabei por ser ultrapassado. Ainda tinha cerca de 5km até a meta e a vantagem de conhecer aquela zona do percurso, pois fora comum em outro eventos passados.

Na descida ate Elvas percorremos um single rapido e técnico, ao qual não tive sucesso em chegar ao atleta, mas já dentro da cidade de Elvas antes de entrarmos nas zona das muralhas ganhei a dianteira, entrando no single ate ao interior do quartel militar na frente. 

No quartel numa zona de estrada a menos de um quilometro, tive a “esperteza” de deixar passar o adversário, ficando a controlar um possível ataque, que a cerca de duzentos metros, antes de entrar na manga acabou mesmo por acontecer, mas onde eu ganhei a melhor, conseguindo ao fim de 47km manter o 6º lugar á geral e 2º do meu escalão, com mais quatro anos e alguns quilos, voltando novamente a subir ao pódio em Elvas.

Em resumo só me resta deixar os meus parabéns ao pessoal CCBTT Elvas pelo excelente trabalho de limpeza de trilhos, marcações, logística e ambiente vivido na partida/chegada e principalmente o muito obrigado ao pessoal do staff espalhado pelo percurso que sempre me incentivou.   

20 abril 2018

2º Prova TMBI Castelo de Vide


Após três semana descanso de eventos BTT, surge a 2ª prova TMBI, desta vez em Castelo de Vide.

Prova esta onde o meu objectivo final esta focado no top 3. Ficou marcada a menos de 24 horas do evento com o aparecimento de uma virose, que me deixo de cama na manha anterior com 38.5º de febre e a fazer “fininho”..

Sentindo-me melhor na madrugada, mas sem grande ânimo fui participar, onde tive a companhia de mais cinco elementos SDT e apoio da minha esposa e filha.

Partida as 9:45h, onde amanha ameaçava chuva tentei colocar-me o mais perto da frente da corrida, pois sabia que seria uma boa ajuda em fazer um bom resultado.

Os primeiros 10 quilómetros, ao contrário do anterior ano, foram muito rápidos, com pouca subida onde me mantive na cauda do pelotão com cerca de 15 elementos.
A partir do quilometro 15 começaram as dificuldades, com a proximidade do castelo de Marvão..
Ate cerca do quilómetro 20 ainda consegui avistar a frente da corrida, a partir daí comecei lentamente a quebrar e baixar o ritmo, com as pernas e o coração não darem tudo o que estava preparado. Na zona mais inclinada a bicicleta também não ajudou com a desafinação das mudanças que me obrigou a fazer uns bocados a pé.

A parti de Marvão ate a meta ainda tinha cerca de 15 quilometro pela frente em sobe e desce constante.. Ainda recuperei dois lugares á geral, concluído os 43km em 01h:56m debaixo de muita chuva no 9º da geral e no 4º lugar em master 35..  o que apesar de ter falhado o meu objectivo ate não foi mau tendo em conta o meu estado físico e tanta concorrência neste tipo de eventos, somando assim mais uns pontos importantes para o top 3.

Com o S. Pedro a não convidar paragem e conversa á chegada, fui logo para o banho. 

Em geral desde a logística, marcação de terreno, percurso e almoço estava tudo impecável, os meus parabéns ao pessoal das Penhas BTT, principamente ao amigo Marco Mestre.

Maratona Extreme Avis 2018


Pelo segundo ano consecutivo participei na maratona Extreme de Avis, prova esta pontuável para a Taça XCM e Trofeu de Santarém.. Eu sem qualquer interesse nos respetivos trofeus, participei na promoção, distancia mais curta de 35km.

Para este evento tive a companhia de mais três elementos SDT.

Com o frontal levantado no dia anterior, ganhamos alguns preciosos minutos, evitando o secretariado. 
Saída marcada para as 10h, cá detrás, consegui ir furando entre os atletas, ate chegar o mais perto da linha da frente da distância da meia-maratona antes da partida.

A hora certa foi dada a partida em comum para as duas distancia onde juntamente atrás do carro da GNR percorremos cerca de 7km em alcatrão para evitar uma zona de enorme lamaçal.



À Saída do asfalto numa zona de sobe e desce curto fui ganhando muitos lugares, logo de seguida ao fim de poucos quilómetros estava a separação de percursos. Encostei juntamente com outro atleta ao Edgar Anão, que seguia isolado, mas com dois atletas na sua frente, atletas esses que só vi um deles quando na zona mais difícil tecnicamente (Covões), um deles desistira devido avaria mecânica.
Seguimos os dois juntos, onde a saído dos Covões o Edgar ganhou alguns metros..



Nunca baixei o ritmo e a cerca de 7 km do fim voltei a encostar nele.. Mas durou pouco onde num olival muito enlameado fui perdendo distancia para ele, embora isolado, fui o sempre avistando ate cortar a meta na terceira posição da geral e segundo do meu escalão..

Após um belo banho, por ali fui aguardando a chegada dos meus companheiros, onde dois deles foram para a distancia a maior..
Antes da chagada deles ainda subi duas vezes ao pódio, pela classificação geral e escalão..

Em relação a evento, tenho alguns pontos negativos, principalmente na partida onde as distâncias saíram todas ao mesmo tempo, percorrendo muitos quilómetros em andamento condicionado atrás de uma viatura, o que fez com quem o pessoal estivesse tudo junto e algumas quedas no enorme pelotão. Em relação ao percurso, gostei, só é pena é ser 90% igual ao anterior. As marcações e logística tudo impecável.

25 março 2018

1º prova do TMBI, Cebolais de Cima


Troféu de Maratona da Beira Interior, resulta no somatório de pontos por cada escalão de idade adquiridos em cinco provas federadas, na distancia de meia-maratona ou maratona..

Este trufeu é uma das minhas principais prioridades para o ano de 2018.., já que tem a distancia mais curta de meia-maratona.
Para poder participar no troféu e pela primeira vez tive que me federar na federação de ciclismo..

Esta primeira prova realizou-se na freguesia de Cebolais de Cima, conselho de Castelo branco, onde o SDT se estreou igualmente em eventos federados com quatro elementos.

Para esta primeira prova tive a companhia da minha esposa e filhota que com habitual não quiserem ficara de fora desta estreia..

Chegada a Cebolaies cerca das 8:15h, junto ao campo de futebol estava montando o estacionamento, secretariado e partida/chegada. Levantamento do frontal e dorsal sem grande confusão onde a minha categoria competitiva é os master 35.
A partida estavam diversas boxes, divididas pelos escalões do TMBI e um boxe á parte para a promoção, com a saída de cinco minutos mais cedo a distancia maratona.
Cinco minutos passados e foi dada a saída para a minha distância, com os primeiros quilómetros logo a subir. “Colei-me” junto a frente da corrida e gerindo os dez primeiros atletas ali me aguentei até entramos uma zona de eucaliptal, cerca do quilómetro 15 enrolou-se um bocado enfiou-se um pau na roda traseira, entre a cassete e os raios, obrigando-me a paragem forçada de alguns preciosos segundos.

Puxei o ramo que se parti-o, ficando lá um bocado de pau metido. Tentei seguir mais uns quilómetros, onde em zonas a subir consegui recuperar novamente os lugares, só que quando tinha que deixar de pedalar (nas descidas) o cepo da roda não rodava e a corrente ficava toda enrolada..

Tentei mesmo nas descidas dar a pedalar, ate que a corrente saltou para fora do pedaleiro.
Numa zona em single encostei para o lado ao junto de um fotógrafo da organização que prontamente com ajuda de outro pau mais rijo, conseguimos remover o que me estava a bloquear o cepo de rodar.
Alguns minutos perdidos, mas problemas resolvido. Muitos lugares perdidos mais ainda restavam cerca de 27km para o final.. Sentindo-me bem fisicamente, aumentei o ritmo e comecei a recuperar lugares a traz de lugares.

Cerca de 10km para o final já andava perto dos primeiros lugares, o pior era que as cabrias já estavam a dar sinal e a maior dificuldade ainda estava para vir, uma dura subida em zig zag com cerca de 3km. “Devagar e pedalada certa” mantive o meu ritmo onde ao fim de 47km com um acumulado de 1200m cortei a meta no 8º lugar á geral, desconhecendo a minha classificação no escalão estava contente pela minha prestação em eventos federados.
 
Mais fiquei ao almoço quando foram afixadas a classificações e deparei-me com o 2º lugar em master 35, cumprindo assim o primeiro objetivo e subindo ao pódio, somando os primeiros pontos no TMBI.

Em relação a organização e percurso só tenho a dizer maravilhas, os meus sinceros parabéns, tudo bem marcado, bem organizado e principalmente os meus parabéns a quem escolheu o percurso, brutal um bocado de tudo, muito diversificas e divertido. Adorei..

04 março 2018

Terras de Oiro BTT 2018

Com o Troféu de maratona da Beira Interior quase a chegar, nada melhor que “afinar” as pernas com participação no evento em Vila Velha de Rodão que o ano passado me surpreendeu pela dureza da meia maratona, organização e principalmente paisagens.

Saída cerca das 7h da matina em direcção a Vila Velha onde tive a companhia das minhas duas Marias e do Humberto.
Chegada pouco depois da 8 da matina, onde este ano toda a logística estava montada no mesmo lugar, levantamos o frontal que se processou muito lentamente..

Este ano Estremoz aderiu em peso, com 13 elementos do SDT e oito elementos da Rota Ossa, apesar dos últimos dias e madrugada terem sido de muita chuva ninguém se negou e apesar do frio o S. Pedro ajudou e poupou-nos de uma molha durante a manha.

As 9 hora em ponto fora dada a saída dos cerca de duzentos atletas na maioria para meia-maratona de 45km e maratona de 65km.

Sai um pouco lento e com  as pernas “pesadas” onde percorremos cerca de 4 quilómetros em asfalto e muito lentamente fui recuperando lugares ate chegar a cabeça da corrida na saída do alcatrão com inicio numa subida em zig zag.. 


Terreno muito muito enlameado e com muita poça de água, mostrou-se logo desde o inicio uma das maior dificuldades para os atletas.
Cerca do quilómetro 10 numa zona de serra rolava isolado na 4 posição da geral, embora avistar muito perto dos da frente e dos que estava logo atrás de mim.
Sol de pouca dura quando surgiram alguns perigosos singles  de muita pedra escorregadia o um enganos no percurso, que me fez ser apanhado por cinco atletas. Atletas estes que ficamos sempre juntos até a separação a faltarem cerca de 10km para a chegada.

Fique com dois atletas na minha roda á mana, onde assumi a cabeça do pelotão num piso mais rolante e com as cambria a dar “ares” da sua existência, não baixei o ritmo e a cerca de dois quilometro para o fim consegui deixar um atleta para traz. O outro não me largou a roda, e acabou por me “fitar” num cruzamento, dando mudança de direcção em sentido contrario ao transito e me ganho a frente…
Apesar da falta de civismo, limitei-me a seguir na roda dele, apesar disso contente com a minha prestação em 46km com cerca de 800m desnível acumulado, na esperança e certeza de ficar na 3ª posição da geral, nem sequer tentei atacar...  Só que as contas saíram-me furadas, acabando a prova no 4º (01h:59) com o mesmo tempo do 3º a cerca de 3 minutos do 1º e 2º que também chegaram ao sprint com o mesmo tempo.

Molhado, fui logo ao merecido banho, desta vez de agua quente e aguardei pela chegada lentamente dos meus companheiros ate ao almoço, onde mais uma vez nada falhou.. 

Em suma um dia bem passado com amigos e família a fazer o que mais gosto onde até o S. Pedro nos ajudou durante toda a manha e a esta organização que está de parabéns por mais um excelente evento, apesar de notar falta de pessoal da organização e este ano o percurso apesar de mais fácil foi menos belo. De resto, brindes, almoço, simpatia e preço.., Top Top