14 dezembro 2010

6º Rota do Contrabando em BTT

Deste a prova de Riachos em Outubro já tinha dado como encerrado as minhas pedaladas para 2010 mas a pedido de varias famílias lol, lá me convenceram a ir ate á freguesia de Penha Garcia, na beira interior perto de Idanha para participar na 6ª edição da Rota do Contrabando com o J. Dias, L. Bilro e J. Lopes. 

Este evento tem como objectivo principal usufruir das paisagens raianas por onde antigamente se fazia a rota do contrabando a cavalo sendo hoje percorridos em bicicleta.
Com contagem de tempos no final mas sem classificação, ficamos logo combinados de irmos participar na distância maior em ritmo de passeio e com máquina fotográfica no bolso... Após duzentos e poucos quilómetros de Estremoz a Penha e com ajuda preciosa do GPS lá chegamos, á chegada levantamos o dorsal que mais parecia uma folha A4, e que na parte de traz originalmente trazia o gráfico da altimetria e o percurso.
Os quatro magnifivos SDT em Penha Garcia

Á partida estavam perto de 250 participantes onde grande parte eram espanhóis, divididos na distância de 30km e 54km tendo esta última 1250m de acumulado. Tendo estado um boa semana de sol fui participar erradamente com equipamento de verão, pois ao fim de alguns quilómetros em passeio e após uma grande subida espectacular entre pinheiros onde já muitos participantes iam já a pé, o nevoeiro serrado estava á nossa espera... Começamos uma grande descida onde pouco ou nada se via á frente e acabei por gelar por completo e para ajudar o percurso tinha muitas passagem por ribeiros com um piso pesado e saturado de agua.
Soltem o Javali...

A meio ainda encontramos um javali encalhado numa rede, caso para gritarmos e brincarmos " soltem o javali..." Perto dos 30km perde-mos o J. Lopes que não se sentia nas melhores condições físicas, talvez pela culpa ainda do acumulado que ainda tínhamos pela frente.., acabou por ficar na distancia mais curta. 

Após a divisão de percursos e um pouco mais quente comecei a sentir-me bem onde fui sempre puxando pelos meus companheiros ultrapassando muitos participantes com o percurso de sobe e desce constante, onde a lama e agua no piso era mais que muita.. 

Os últimos 10km que ainda pensávamos faltarem no último abastecimento (onde todos eles os achei Q B) mas fraquinhos e com poucas pessoas, falei com meus companheiros e vim para a frente a puxar sozinho afim de esperar por eles antes da meta para concluirmos juntos, só que ao km 52 distraído passei um traço em cal e segui atrás de outro participante, onde mais a frente parei para esperar pelos meus companheiros. Esperei um pouco e resolvi voltar para traz e aproveitar uma ribeira para lavar a bike enquanto esperava pelo meu pessoal que já tinha passado e foi nesse ponto que me apercebi que distraidamente me tinha enganado e que os participantes estavam a ir noutra direcção.

Nevoeiro, frio e bonitas paisagens..
Rapidamente segui desta vez sim o caminho correcto e que por acaso eram mais 3 quilómetros sempre a subir onde ainda tive tempo para um mano a mano com um participante melhor preparado.., conseguindo perto do castelo de Penha Garcia alcançar os meus dois companheiros do SDT que ficaram admirados e surpreendidos com a minha vinda de atrás deles. Juntamente fizemos o ultimo quilometro e espectacular por sinal sempre a descer ate há meta pelo meio de ruas estreitas, algumas delas com menos de dois metros de largura com curvas apertadas em calçada chegado assim com 59km e 1230m de acumulado onde o relógio marcava quase 14 horas...

A lavagem das bikes foi demorada, pois só existia uma mangueira, bem como os banhos também foram de agua mais para o frio do que quente. O almoço foi muito demorado a ser servido onde ainda por cima a cerveja era superbok com um ensopado de javali.


Sinceramente que esperava mais desta 6ª rota, aproveitou-se paisagisticamente os primeiros 30km onde o que valeu foi o companheirismo e brincadeiras com o meu pessoal numa manha fria e húmida cheia de peripécias para mais tarde recordar onde a lama nunca deixou as nossas rodas ficarem enxutas...

08 dezembro 2010

Rescaldo positivo do 1º BTT Ganhões by SDT

Mais uma vez e em nome da Associação BTTMOZ- SDT (Sobe e Desce Team), quero agradecer a todas as pessoas que pelo nosso site espreitaram, se registaram, inscreveram e confirmaram sua presença no 1 BTT Ganhões, bem como a todos os amigos que nos ajudaram a divulgar nossa prova.

Após ler com muita atenção os rescaldos em fóruns, blogs e sites do pessoal presente em Estremoz, mais contente o nosso grupo não poderia ter ficado.., pois vimos o nosso esforço, trabalho e dedicação recompensado com a vossa satisfação e vossas palavras de apoio. Pois era realmente isso que o nosso grupo pretendia e continuara a querer em futuros eventos com a marca SDT, para realmente se realizem bons eventos de BTT contribui a nossa grande actividade participativa de norte a sul do pais, onde trazemos novas ideias, pontos positivos e negativos para no final os reunirmos em ideias construtivas a fim de organizar grandes eventos, mas para isso também em muito contribui a nossa zona de Estremoz sendo a "cereja no topo do bolo" os magníficos trilhos da Serra d' Ossa e arredores mas para isso também é preciso conhece-los bem para os podermos partilhar com vocês todos.

Como podem calcular foram umas semanas.., principalmente a ultima muito desgastante, de correrias para a maior parte do pessoal SDT, como exemplo a marcação do percurso quase toda ela a pé para que ninguém se perdesse onde o conceito continua a ser o mesmos "marcações vistas da lua" e no sitio certo. Logo que possível iremos fazer a sua recolha e voltar a reutilizar as fitas pela 3 vez em próximos eventos.
Á câmara Municipal também deu um excelente apoio ao disponibilizar o pavilhão C, o pavilhão A, as piscinas para banhos, dois veículos 4X4 e mais algum apoio logístico. A Junta de freguesia de S. Lourenço que acarinhou e disponibilizou o abastecimento para o pessoal do passeio (30km) . A Nutrilogia que ofereceu os líquidos energéticos, á Cabo Visão que ofereceu as t-shirtş, á BiciAventura que ofereceu os brindes a sortear na chegada, Cruz Vermelha, Policia etc.. (espero de não me ter esquecido de mais ninguém)

Mas tudo isto não seria possível se TODOS OS ELEMENTOS SDT E AMIGOS não reunissem força, experiência e vontade de realizar este primeiro BTT Ganhões.

Só mesmo o S. Pedro é que continua em nos querer estragar os eventos, mas graças a todos vocês participantes presentes neste passado domingo voltamos a mostrar que não o tememos e que o bom BTT é "puro e duro..", pois com chuva ou sem ela cá estamos para o que der e vier...,para que no final todos os envolvidos sintam orgulho em ler os vossos comentários que nos enchem de muito orgulho e satisfação pelo trabalho realizado, onde qualidade não é para NÓS SDT sinónimo de quantidade em €...

Porque sem ELES não era possível a realização deste evento aqui vai a homenagem simbólica do elementos SDT/ e amigos envolvidos:

-Secretariado

Alda, Júlia, Tânia, Eunice, A. Lúcia, J. Dias, D. Cochicho

-Spikeer

J. Garcia

-Picagens (controle)

J. Marques, J. Lopes, C. Merino, J. Silva e Vera Silva

-Passagem da estrada de alcatrão

A. Merino e Dias, D. Picão e Sónia Lapão, V. Catambas e N. Santos

-Motas 4x4

L. Bilro, H. Mourinha, P. Perdigão e P. Marques

-Pontos intermédios do percurso

C. Bilro, H. Camões, A. Pucarinhas, J. Rato, J. Borralho, F. Cóias, M. Lourenço, J. Godinho, J. Pereira, P. Salsinha

-Abastecimentos

J. Albano, Buinho e J. Pestana, Lúcia Raimundo, G. Lopes e L. Dias.

-Guias do passeio dos 30 km

L. Santana, P. Ramalho e P. Guerra

(Peço desculpa se me esqueci de alguém...)




CADA VEZ TENHO MAIS ORGULHO EM SER SOBE E DESCE TEAM :-))

19 outubro 2010

1º Passeio/Maratona BTT Trilhos do Paul

Passados quinze dias de ter estado em Torres Novas, voltei, desta vez á vila de Riachos, outro lado da auto-estrada para participar na prova "Trilhos do Paul". 

A manha começou as das 6 da matina, onde desta vez foi o único representante do SDT e como o meu acompanhante habitual nestas andanças a Lúcia. Há chegada a Riachos foi por volta das 8h ao local do secretariado/pavilhão e almoço, onde não precisei mais de mexer no carro. 
Fui o primeiro a chegar, levantei o dorsal onde vinha um saco com papelada e uma placa em acrílico com o logo da equipa local e organizadora. 

 Á conversa com o elemento da organização me confirmou que a concentração do pessoal seria ali 10minutos antes da hora da partida, e depois seguiríamos para o local da partida da prova que seria a mais de um quilómetro no centro da vila. Espreitando o sol fui-me equipando enquanto o pessoal ia chegado e levantando o sei dorsal. 
Fui por ali aguardando e pedalando para aquecer á espera que o pessoal se concentrasse enquanto a Lúcia foi andado para o local da partida... Esperei em vão, pois o pessoal á medida que se foi despachando foi logo para cima e o parvo á espera. Então fiz o mesmo, só que quando cheguei há meta já estavam um “moitão” de pessoal á minha frente. Foi dada a partida com algum atraso onde fizemos cerca de 2km em estrada o que me permitiu ganhar muitos lugares ficando a ver o grupo da frente. 

Havia duas distancias os 30km e os 60km, onde inicialmente esta inscrito, mas por falta de andamento e problemas com as cambrias pedi há organização para mudar para os 30km. Os primeiros quilómetros foram muito rolantes com subidas curtas mesmo a meu favor com zonas de muita lama que rapidamente “colou” á corrente. 

Á chegada a separação cerca dos 18km estava no grupo da frente, onde cinco seguiram para os 60km e dois para os 30km o que me deixaria no 3º lugar com os dois mesmo á manha frente, só que logo na primeira subida a corrente começou a fazer chupão e tive que a fazê-la a pé e a correr para não perder distancia...,mas acabou por acontecer. Fiz mais uns quilómetros sempre a pano, mas solitariamente e para ajudar ainda me consegui enganar onde o percurso se juntava com o inicial. Voltando a engrenar nele novamente ate me dar conta de já lá ter passado e voltar para traz...,embora estivesse muito bem marcado/sinalizado e salientar o apoio dos escuteiros distribuídos por muitos pontos do circuito principalmente nas estradas públicas.
Mais um 3º lugar..
 Ate final foi sempre a fundo, pois senti-me bem fisicamente e os trilhos era a meu favor muito rápidos e diversificados onde ao fim de 32km com o tempo de 01h:15m cortei a meta em 3º lugar a 1 minuto e pouco dos dois primeiros, o que sobe a pouco.., e que por acaso um era atleta da casa e o outro da zona entre 152 a terminar. (ver classificação)  

Fui para baixo onde tinha o carro, lavei a bike e como tinha muito tempo e até a limpei com uns panos. 

Tomei duche e fiz por ali tempo ate ir almoçar, almoço esse que fora na escola mesmo ao lado ao estivo self-service com uma sopita e carne de porco com amêijoas, onde repus os líquidos com umas imperiais fresquinhas e travei mas alguns conhecimentos. Para terminar o dia fui ate Mira de Aires visitar as famosas grutas. 

Nota positiva para a organização Trilhos do Paul e com a parceria da banda Riachense neste primeiro evento onde mais uma vez fui muito bem recebido, onde conquistei mais um pódio para o meu currículo e mais um sem troféu..

12 outubro 2010

2º Maratona BTT Cocheiros

Esta é uma prova daquelas a repetir, depois de ter estado presente na primeira edição não quis falhar esta pela simpatia do pessoal da organização, bem como os trilhos.

A justificar isso ficou a enorme participação de elementos do SDT, no total fomos 17.

Desta vez fui á boleia com o Acácio onde a hora ficara marcada para as 6 da manha, onde aos poucos fomos juntando a comitiva em frente do café do Zé Russo.

A viagem ate Santo Aleixo da Restauração correu de forma tranquila onde o sol veio aparecendo e demonstrando uma bela manha para a pratica do BTT.

A chegada a Santo Aleixo fora já passava das 8 horas, onde rapidamente me levantei o dorsal, onde vinha no saco uma Jersey, um pó e um gel energético, uma t-shirt uns panfletos e um bónus do amigo Valente de 2 isqueiros, ao qual agradeço. 
Rapidamente o tempo foi passando enquanto á pressa me fui equipando para não partir de muito traz... 

Mais uma vez um grande numero de SDT
Assim que me despachei fui para o centro da aldeia onde ainda não estava muita gente, pois eram esperadas cerca de 350 participantes em três distâncias. Antes da partida fui conversando com o amigo Sequeira do Algarve que estava ao meu lado, enquanto a praceta principal ia enchendo com a chegada do pessoal.

As 9:10 estavam marcadas a partida onde eu iria fazer os 45km que já os esperava muito duros. A partida foi dada onde a primeira parte fora muito idêntica á do ano anterior com muitos sobes e desces e cerca do km 20 passamos pela meta em direcção á segunda parte. Desde o km 10 mantive sempre a mesma posição sempre acompanhado com o Almeida do Solar Bike onde a quantidade de subidas inclinadas parecia não ter fim.

Na segunda parte o percurso as subidas continuavam e pareciam não ter fim, bem como as decidas muito técnicas pareciam poucas. Nesta parte o percurso estava mais mal marcado com ausências de fitas e em locais menos visíveis mas com muita atenção nunca me cheguei a enganar e nos últimos 5 quilómetros ainda me consegui juntar a mais três participantes que andaram sempre á minha frente, mas na ultima subida com muita pedra sai-me a corrente e assim acabei por os "deixar" fugir seguindo atrás deles já sem pernas para os passar.., até uns metros antes da meta onde esperei pelo meu companheiro Almeida para curtar-mos a meta juntos, onde ao fim de 02h:12m conclui os 45km com mais de 900m de acumulado no 9º lugar entre 213 participantes (ver classificação), onde apenas 18 concluíram os 70km.
Fui aguardando pela chegada do meu pessoal as lerias com outros atletas meus conhecidos e ainda tivemos tempo para uma entrevista para o canal V da cabo visão.

Á chegada do último elemento SDT ainda bebemos um red bul, pois estava lá o famoso mini com suas meninas. Lavamos as bikes e fomos ao duche, onde apesar de sermos dos últimos ainda havia agua quente. 

Quando íamos a caminho do local do almoço veio o Sequeira ao nosso encontro para gentilmente nos oferecer duas garrafas de aguardente de medronho e umas passas de figos para levarmos para a sede, onde aproveito mais uma vez para lhe agradecer bem como ao pessoal das 4 esquinas da Amareleja que que trouxeram uma t-shirt do Raid.

Team, no paredão do Alqueva
Após uma espera na bicha do self-service conseguimos juntar a pessoal todo na mesma mesa onde com um belo banquete bem regado apagou por completo a imagem do almoço menos bom do ano anterior.
O caminho de volta foi feito pela barragem do Alqueva onde ainda tiramos umas fotos e paramos na marinha abastecer os líquidos.

Nota positivíssima para o pessoal do Cocheiros que nos proporcionou um grande dia de BTT bem como um enorme empeno de pernas..

04 outubro 2010

I Maratona Zona 55 "pegada do Dinossauro" (Torres Novas)

Oito dias após a minha desistência na Amareleja por problemas mecânicos foi a vez de esperar melhor sorte, desta vez em Torres Novas, onde fui a única representação SDT. A manha começou antes das 6 horas onde mais uma vez tive a companhia da minha namorada e também a do C. Mourato, companheiro da da Rota d'Ossa. 
Muito perto de chegar a Torres Novas começou a chuviscar o que fez baixar a moral. 

Há chegada fui levantar o dorsal na Escola Pratica da Policia, local onde toda a logística deste evento estava montada. Com o dorsal vinha o habitual saco cheio de papelada e uma t-shirt. Com um inicio de manha a chuviscar e muito fria fomos nos equipando. Depois de uma curta volta de aquecimento fomos dos primeiros a fazer o controle zero ficando assim na frente.

As 9 e pouco depois do habitual brifing foi dada a partida onde percorremos cerca de 5km por alcatrão atrás do carro da policia, surgiram de imediato algumas quedas devido á falta de cuidado de alguns betetistas por causa do piso muito escorregadio. Há saída do alcatrão entramos de imediato num single track muito grande sempre a subir.., desconhecendo eu esse inicio deixe-me atrasar no alcatrão entrando no single com mais de 15 betetistas a minha frente e sem ter qualquer hipóteses de os ultrapassar tive que me ir aguentando atrás, ate que o single acabasse e alargasse para começar a ganhar alguns lugares.. Cerca do quilometro 10 surgiu a separação dos 30km e dos 60km. 

Eu segui para o percurso dos 30 quilómetros pois a minha preparação tem vindo a cair em a pique sem qualquer treino, exercícios ou provas. 

Passado um quilometro solidariamente cheguei a uma aldeia onde segui a indicação de uma seta (errada) e mais a cima com ausências de fitas fui dar com um outro betetista que estava também enganado. Juntos voltamos para traz onde mais á frente encontramos uma fita e seguimos, só que as fitas voltaram desaparecer, onde com muitas hesitações apareceram mais dois atletas...há sorte passamos um carro que estava parado no meio da estrada e sem marcação seguimos mais uns metros até que encontramos novamente o caminho certo, bem como um molho de fitas arrancadas e juntas no chão (em resumo foi o dono do terreno que colocou o carro no meio do caminho e arrancou as fitas para que não passássemos lá), os 4 lá seguimos onde eu juntamente com o bettista que encontrara na aldeia fomos ganhando tempo e distancia para os outros sendo nós os dois os primeiros. 

Todo o percurso fora um sobe e desce constante com muitos e lindíssimos singles. Chegamos ao mesmo tempo ao ultimo posto de controle, onde me acabou por cair o dorsal devido a sua fragilidade face a chuva e onde a senhora da picagem demorou uma eternidade a fazer a picagem e acabou por ser o homem que estava lá com ela a fazer.. 

Perto dos 27 km começaram as cambrias a dar sinal mas mesmo assim mantive sempre o meu ritmo sempre com o primeiro lugar á vista, mas talvez por falta de ritmo não tive pernas para ganhar, acabando assim na 2ª posição com o tempo de 01h:24 (com o mesmo tempo do primeiro) em 31km com um acumulado que rondou os 650m e penso que com mais de 150 a concluir a meia maratona, onde o pessoal da chegada nem nos fazia já a terminar a prova e devido ao que aconteceu ao quilometro 11 resolveram só dar classificação aos primeiros 3 e a todos dos 60km. 
Entrega dos troféus..

O C. Mourato chegou pouco depois onde lavamos as bikes e fomos tomar um merecido duche pois a manha continuava chuvosa e fria. Após o banho ainda faltava mais de uma hora para o almoço que fora servido no refeitório da escola da polícia, onde nos fomos entretendo á conversa com algum pessoal meu conhecido. 

Perto das 13 horas fora servido uma feijoada com orelha de porco, algo que penso despropositado para quem fez uma prova e onde tivemos que ir fazendo tempo ate ha entrega dos troféus e sorteio de prémios onde tinha mais um troféu destinado e como estava com a estrelinha da sorte ainda tive direito a um prémio no sorteio de um vale de uma semana num ginásio em Torres Novas, mas como não era de perto oferecido ao amigo José Tereso do BTT Sardoal.
Eu e meu mor em Almourol..
Em suma fica um excelente percurso onde a estrelinha da sorte voltou a fazer as pazes comigo, que apesar do percalço ao quilometro 11, penso que poderia estar melhor marcado, bem como achei falta de pessoal na organização e um almoço muito pesado e fraco..

28 setembro 2010

I Raid da Amareleja

Para este fim-de-semana tinha três provas previstas na minha agenda, mas apenas podia participar numa..

A primeira a dos trilhos megalíticos em Castelo de Vide ficou excluída por falta de pessoal e para mais em sábado, as outras duas eram no domingo. A de Alenquer e a da Amareleja. 
Como estavam dois elementos SDT confirmados para o Raid na terra mais quente do país e com o convite do amigo Humberto que pertence a organização acabei por acompanhar o meu pessoal SDT. 

A manha começou por volta das 6 da matina onde me fiz acompanhar com a minha namorada a fotoreport de serviço há boleia com P. Guerra e com o Calimero. 

A chegada foi pouco antes das 8 horas onde o sol teimava em aparecer e com uma manha muito fresca. Fomos dos primeiros a levantar os dorsais, onde ainda aquela hora existia muito nervosismo, sonolência e falta de experiência com o pessoal do secretariado. No saco vinha papelada, gel e champô de banho e uma t-shirt L que o pessoal se prontificou em trocar no final, caso eu não me teve-se esquecido. Lentamente fomos equipando com o calor aparecer. 

Um quarto de hora antes da partida já estava junto há partida na linha da frente a conversar com alguns betetistas meus conhecidos e amigos destas voltas, pois embora não houve muito pessoal confirmado na lista da net havia muitos que pagaram na hora havendo cerca de 150 divididos nos 50km do raid e do 25km do passeio. 

 A hora marcada ainda estava a chegar pessoal de carro, com que fez desportivamente que o pessoal aguardasse mais um pouco pelos atrasados. 
Após o brinfing um minuto de silêncio em memória a um companheiro de pedal e com quase 15 minutos de atraso lá foi dada a partida e logo para meu o azar começou com as mudanças a saltarem e logo de imediato a me atrasar para os lugares da frente... 

Entramos numa mata repleta de pinheiros com um sobe e desce constante e muito rápido onde rapidamente recuperei as posições perdidas há partida onde aos 8km já rolava no 4º lugar juntamente com mais 3 atletas..., onde nas decidas tentava ganhar tempo para os primeiros, decidas essas com muita pedra solta e valas, mas quis o destino que ao quilometro 11 e pela primeira vez o pneu trazeiro rebentou quando embati violentamente numa pedra... Desanimado vim andado a pé, onde uns metros mais há frente junto de uma estrada de alcatrão se encontrava pessoal da organização.
A espera de um companheiro do SDT

Esperei por um dos meus colegas do SDT a fim de me emprestarem uma bomba, na esperança que ao encher o pneu e que o liquido vedasse e assim concluísse a prova... Ao fim de um bom tempo passou o Calimero que só tinha uma bomba de CO2 e para que ele não perder tempo mandei-o seguir, esperei e desesperei pelo Guerra... não apareceu mas aparecei o Sr. Luís e por sinal penso que seria um dos últimos que gentilmente parou e me tentou ajudar, tentamos encher o pneu primeiro com CO2 que acabou não vedar, depois uma bomba com espuma que saio pelo rasgo e por fim deixo-me uma câmara de ar e seguido, só que eu continuava sem bomba... 
Como estava muito perto da Amareleja e preocupado com o Guerra que não passou ali, meti-me ao caminho pela estrada com o pneu quase vazio mas mesmo assim suficiente para chegar há meta onde não estava ninguém. 

Aguardei um pouco lá apareceu a Lúcia que estava detrás da barraca dos computadores onde me disse que o Guerra não tinha por ali ainda aparecido. Arrumei a bike no carro e voltei para zona da meta onde ao cimo da rua vinha o Guerra a pé mais outro participante também furado...


Tristezas não pagam dividas..viva á Sagres..
Fomos aguardado pela chegada dos primeiros e do Calimero o único SDT que concluiu a prova. 

Toma-mos duche nos novíssimos balnearios do campo de futebol e vamos a ver do almoço, mas antes percorrendo as várias ruas da Amareleja com um "empurra para cá, empurra para lá" custamos caro a dar com o local. 

O almoço foi servido na escola em self-service em boa quantidade e muito saboroso regado com umas fresquinhas e assistimos a entrega de prémios ate ao 10 lugar..,onde desta vez não me calhou nada, só mesmo a despesa de um pneu novo mais liquido que tive de substituir o quase novo rebentado e azarado... Em geral para primeira prova esteve tudo impecável, onde é de salientar a simpatia, acolhimento e disponibilidade do pessoal da organização.

13 setembro 2010

5º Maratona de Óbidos


A maratona de Óbidos ficou marcada na minha agenda após o ano passado ter participado pela primeira vez nesta prova ao ponto de trocar um casamento para estar presente em terras do oeste onde alem de mim tive como companheiros do SDT a participar mais onze elementos. Um elevado numero, tendo a maioria pernoitado no sábado nas Caldas da Rainha.

Eu arranquei de Estremoz mais o Zé Júlio e a minha namorada Lúcia eram 5:30 da matina em direcção a Óbidos, pois pela frente tinha uma viagem de 200km. 

À chegada  iríamos juntar com o resto do pessoal SDT (J. Lopes, G. Lopes, C. Bilro, L. Bilro, J. Dias, L. Dias, L. Santana, P Guerra, H. Camões e A. Camões), que no dia anterior já tinha levantado os nossos dorsais, ganhando assim mais algum tempo, já que eram esperados mais  de 700 betetistas.

Nas calmas foi-me equipando e ainda tive tempo para estar as lerias com o Carlos Santos, possuidor de uma "mana" da minha MSC Catal, onde antes da prova já nos tínhamos combinado encontrar e "desafiar" no duelo MSC...lol. 
Antes das 9 horas fui para a zona da meta, passando antes pelo controlo 0 onde apesar do enorme número de participantes consegui um lugar perto do pessoal da frente, o que me facilitaria muito um bom arranque. Arranque esse que foi dado pontualmente e com uns  quilometros em alcatrão e uma subida por uma rua de Óbidos, ganhando assim mais uns lugares.

A primeira parte da prova fora muito rápida, com poucas subidas mas muitas zonas de areia onde andei sempre no segundo grupo a perseguir os primeiros, e ao contrario do habitual não consegui ganhar muitos lugares, pois seguidamente apareceram uma serie de singles que limitou um pouco as ultrapassagens... Ultrapassagens essas me fez o Santos com a mana da minha bike, onde rolamos em juntos e  num grupo por uns bons quilómetros, ate que na zona junto há lagoa num grande estradão consegui passa-lo bem com mais 6 ou 7 que seguiam no mesmo grupo. Passando para a frente e sempre a rolar fui puxando pelo pessoal e a tentar ganhar mais algum tempo, só que o pessoal aproveitou a minha roda e não descolou.., com o aparecimento de uma subida paguei caro o esforço sendo ultrapassado pelo grupo todo. 

Nos últimos 10km eram onde estava a maior dificuldade, pois era onde estavam as subidas e eu arrebentado, mas mesmo assim não "baixei os braços", e com grande esforço pois as cambrias já tinha dado sinal da sua existência fui tentando recuperar menos distância para o pessoal da frente (tentar remediar o mal já feito), lentamente fui conseguindo mas o castelo estava já há vista, local onde se situava a meta sempre com um final espectacular e lugar que acabei por manter.
Entre 525 participantes nos 40km terminei em 19º com o tempo de 01h:38m( ver classificação), o que me deixou um bocado frustrado, pois tinha como objectivo melhorar o meu 15º do ano passado.
Um brinde e uma cigarrada..
Á dias menos bons, mas estava feliz por terminei mais uma prova sem quedas nem azares mecânicos. A nível de marcação/sinalização impecável.
Aguardei pela chegada de mais alguns elementos SDT depois fui andando pelas lindíssimas ruas de Óbidos ate parar num café a beber umas minis antes do banho.

A comitiva SDT juntou-se toda e foi ver do almoço, servido ao lado da piscina coberta onde a sombra era coisa rara, iam-se repondo os líquidos com imperial e os sólidos com porco no espeto.
Depois do almoço o melhor era ir queimar as calorias, dando uma passeata pelas históricas ruas de Óbidos.
Em resumo fica o registo de mais uma excelente maratona/percurso tirando alguma arrogância do pessoal da organização na zona de chegada.., o grande numero de pessoal SDT presente e no duelo MSC a do Santos foi mais forte, mostrando uma grande forma física, ao qual o felicito e elogio.

06 setembro 2010

IV Passeio/Maratona pelos Tilhos de Mombeja


Esta foi a prova que me propôs fazer para iniciar a segunda metade do ano após uma ausência de cerca de dois meses de competição e cerca de um mês e meio sem fazer BTT, por culpa do verão e das férias. Prova esta que já conta com 6 edições, e já algum tempo que ouço falar muito bem deste evento por terras do baixo Alentejo. 

A manha/noite começou cedo, cerca das 5:30, onde me desloquei somente com a minha namorada Lúcia a Mombeja, acabando por ser o único elemento SDT e estremocense presente. Há chegada há pequena aldeia fui levantar o dorsal onde muito simpaticamente fui recebido. No saco vinha alem dos papeis, uma oferta que achei muito bonita (uma bilha de barro em miniatura pintada há mão). 

Após rever alguns companheiros de pedaladas e conhecendo outros fui-me equipando nas calmas, pois ainda faltava uma hora para a partida, mas também sabia se queria partir nos lugares da frente não me poderia distrair.., pois para esta prova  estavam cerca de 350 inscritos confirmados e divididas por três distancias (20km, 45km e 70km). 

As nove em ponto foi dada a partida, onde seguimos atrás da mota da organização percorrendo as ruas da aldeia e que sérvio para um aquecimento sempre com muito pessoal a ver e nas ruas.., voltado novamente a passar por baixo da manga da meta e ai então o pessoal a começar a prova... A expectativa á minha condição física era o meu principal teste, pois não tinha ritmo de competição, algum tempo que não fazia BTT somente pequenas voltas de estrada e corrida, mas o meu melhor treino é como sempre o espírito de sacrifício.




Os primeiros quilómetros foram um constante sobe e desces, onde rodei no grupo dos 15 primeiros, muito perto dos da frente.., até que surgiu uma subida maior e recuperei mais alguns lugares.., perto do quilometro 15 voltamos novamente a passar debaixo do arco meta, em Mombeja, o que achei muito original, pois dava para o publico se aperceber melhor das movimentações dos participantes e nos sermos incentivados com palavras e aplausos. 

Apartir dai o piso começou a ser mais duro, irregular e com zonas de pedras bem como as subidas mais longas começaram então a surgir..., já que para os 45km estavam previstos mais de 800m de acumulado. Cerca do km 35 e após a subida mais dura e longa e mais uma serie de sobe e desces onde comecei a ter uma quebra, pois o esforço gasto já tinha sido muito e sabendo que esta nos primeiros lugares não tive pernas (talvez pela falta de ritmo) para tentar acompanhar um pequeno grupo que seguia há minha frente já muitos quilómetros abrandei para tentar acabar bem, pois as cambrias já "picavam" e assim desconhecendo a minha posição ainda fui avistando os dois participantes há minha frente ate quase há meta os dois que ficaram há minha frente. 

Há chegada o meu objectivo foi concluído, fazer menos de horas e nos 10 primeiros. Mais precisamente o 4º lugar com 1h:59m os 47km com 241 participantes (ver classificação). Á conversar com o spinker na chegada ainda tive mais uma cambria lol. Este lugar  que acabou por ser amargo pois há conversa com o Pardal (primeiro classificado), me disse que era para ter feito os 70km, mas por queda e problemas técnicos ficou pelos 45km. 

Agarrado á mangueira
Nas calmas lavei a bike, pois por incrível que pareça apanhei um banho de lama, quando passamos num milheiral que estava a ser regado. O banho foi de agua fria, mas que ate soube bem, depois antes do almoço fui bebendo umas imperiais e assistindo há chegada de alguns participantes. 

O almoço foi servido num barracão semi-acabado mesmo ao lado, onde a variedade de comida confeccionada pelo pessoal da organização era mais que muita sempre com um sorriso e boa disposição, onde assistimos há entrega de prémios e ao sorteio de muitos, que mais pareciam não acabar.. embora não tenha saído nada.. 

Fica sem dúvida uma excelente prova a repetir, onde não existiu nada negativamente apontar, fomos muito bem recebidos pela organização sempre com uma enorme simpatia e disponibilidade.

28 junho 2010

BTT Casa do Benfica Reguengos de Monsaraz 2010


Esta foi a minha ultima prova que me propus a fazer na era 2009/10, pois o verão esta aí e com ele o calor, as ferias e a ausência de e nada melhor do que ir pedalar pela zona de Monsaraz, já. 

A manha começou por volta das 6:15 já com algum calor, hora em que combinei em apanhar o Humberto, o Vítor a minha namorada Lúcia.

A chegada foi antes das 8 horas, onde o pessoal da organização estava a dar os últimos retoques nos sacos. Logo que possível efectuamos o levantamento dos dorsais com uma garrafa de vinho pequena, uma t-shirt, uma agua e um ace tea de oferta. 

Nas calmas fomos nos equipando sempre com um ambiente de muita brincadeira onde a temperatura já rondava os 25 graus. 

Por volta das 8:30 fomos andado/pedalando para o centro da cidade onde seria a partida/chegada, cerca de 1,5km do estacionamento dos carros, tendo em conta que haveria perto de 250 participantes não queria partir de muito traz, pois tinha o objectivo de conquistar mais um lugar no pódio, já que ate a data presente tinha 9 pódios e queria obter o décimo antes das ferias. 
Após dar um giro curto pela zona da meta onde os participantes pareciam estar com "vergonha" de se colocarem junto ao arco meta, fui eu para lá marca o lugar. Depois começou o resto do pessoal a se chegar, mas o lugar da frente já ninguém mais me o tirou. 

As 9h e poucos minutos foi dada a partida onde eu iria participar na meia maratona de 40km, mas que estava anunciada no site 48km e com um acumulado cerca de 500m, o que deixava a ideia de ser muito rolante e rápido. 
Existiam mais dois percursos, o passeio de 25km e a maratona de 65km. os primeiros quilometro tentei-me manter sempre no grupo da frente, rolando nos 15 primeiros lugares e recuperando mais alguns  ate há divisória, mantendo sempre debaixo de olho os primeiros até ao quilómetros 15. 


Minha chega á meta..
Á divisão segui a direcção da placa dos 40km onde só tinha um participante (Galacio) há minha frente, mas com pouca distancia. Rapidamente me juntei a ele sem ninguém atrás, onde em conjunto (ora um a puxar, ora o outro) fomos percorrendo os trilhos em grande velocidade, praticamente sem grandes subidas até que cerca do  quilometro 22km, onde tive que abrir uma cerca que ainda se encontrava fechada, continuando o ritmo fortíssimo ate final, onde um pouco antes da entrada em Reguengos da estrada de alcatrão o Galacio acelerou o ritmo passando-me e começando a ganhar alguma distancia para mim, eu como já tinha tido uns picos de cambrias e estava muito desgastado e saciado com o segundo lugar (fiz mais vez uso á tradição de não ganhar quando a minha namorada esta presente , conclui a prova de 53km entre 142 participantes na 2ª posição a 37s do primeiro, com uma media acima dos 27km/h e uma media de 173 batimentos cardíacos que provava o enorme esforço que fiz. 
Passados dois minutos chegou o 3º classificado, o Vítor, fazendo assim uma dobradinha de pódio ao SDT (ver classificação). 

Todo o percurso esteve devidamente bem marcado, com muitos riscos a cal no chão, setas e fitas quanto baste. 
O Humberto também fez um bom resultado terminando na 28º posição, sendo a sua segunda prova. Fomos ao banho no pavilhão, ao lado onde tínhamos feito o levantamento dos dorsais. 


Após a chegada

A melhor parte foi o almoço, servido numa requintada adega e servido em caminhas redondas, em self-service com muita variedade de comida e entradas em ambiente com ar condicionado onde a cerveja era finalmente sagres... 

Em suma mais uma exelente maratona sem críticas negativas apontar, onde para o ano estarei certamente.


14 junho 2010

3ª Maratona Internacional de Marvão


No ano anterior a esta prova o C. Bilro tinha estado presente, trazendo em memória o excelente percurso, que contagiou o meu pessoal SDT.

Assim que houve a abertura das inscrições para este ano inscrevi-me logo, bem como mais 14 elementos SDT (F. Cóias, P. Perdigão, V. Catambas, J. Dias, J. Silva, J. Godinho, J. Marques, C. Bilro, J. Garcia, P. Guerra, A. Arvana, D. Cochicho e o A. Pucarinhas).

A manha começou por volta das 6h:30m onde o J. Marque e sua família me ofereceram boleia, já que a minha namorada estava a trabalhar e não me poderia assim acompanhar.

Por volta das 7h:00 a comitiva estremocense arrancou em direcção a S. António das Areias, onde chegamos por volta das 8:15. Levantamos os dorsais sem confusões com uma t-shirt e postais no saco de ofertas. Fomos equipando, pouco antes das 9h e após a fotografia de grupo já estávamos dentro do controle 0, bem como mais cerca de cem participantes.

A partida foi dada pouco depois da hora marcada, tendo em conta o gráfico de altimetria já esperava logo para começar 8 km sempre a subir ate ao castelo de Marvão praticamente partindo "a frio", onde lentamente na duríssima subida mas lindíssima e espetacular feita praticamente toda em empedrado romano fui recuperando lugares com os “bofes” quase a saírem pela boca... A chegada ao castelo estava a primeira picagem onde estava o F. Cóias a tirar fotos, já que por problemas de saúde não pode participar.

Como depois da tempestade vem a bonança veio uma decida de loucos muito técnica novamente em empedrado com muita pedra solta e curvas em cotovelo, onde com tanta trepidação mal sentia as mãos e os pulsos. 
Cerca do km 16 estava a separação dos percursos, onde perguntei a um rapaz da organização quantos estavam há minha frente e ele me respondeu, - apenas um -... pois era sinal que o meu esforço na subida tinha sido proveitoso. 
Rapidamente fui acelerando a pedalada com surgimento de mais umas subidas, e logo avistei o primeiro há minha frente, onde nesse ponto o percurso estava a meu favor, pois era muito rolante mas também muito técnico com alguns singles espectaculares. 

A entrada em território espanhol alcancei o primeiro participante, onde fui sempre a puxar há frente por ele em grande media, na passagem por Valência de Alcântara abrandamos o ritmo e concentrei-me nas marcações, pois e sempre muito difícil ver as fitas dentro das localidades. 
A saída as fitas simplesmente desapareceram, pensando logo que já estava enganado, mas por sorte perguntei a um espanhol que ia a correr pela aquela zona se havia por ali fitas, e ele respondei "que sim, muitas mais há frente", ficando assim muito mais aliviado.., uns bons metros mais há frente lá as comecei a ver, acelerando novamente e deixando o meu companheiro logo para traz isto com cerca de 30km já percorridos, era um percurso muito rápido pelos trilhos antigos da rota do contrabando do tabaco. 

Fiz cerca de 5km sozinho, onde muito perto dos 42km pensei na mota que normalmente acompanha o pessoal da frente iria me dar muito jeito, pois as marcações não eram as melhores.. e quase que por milagre aparece, só que o pior estava para vir quando avisto o rapaz da mota acelerar dentro de uma ribeira larga mais funda do que meio metro de agua.., meti a bike as costas e com agua pela cintura fui atravessando a ribeira pelo meio dos calhaus, ate que mesmo há minha frente o gajo da mota cai para o lado ficando só com a pala do capacete há vista e a mota completamente submersa.., passei para a outra margem onde antes tentei saber se estava tudo bem como ele, seguindo em frente um pouco á deriva pelo meio de um pastagal, onde só existiam pequenas veredas feitas pelos animais e tentei procurar o trilho com as marcação...,trilho esse que nunca existo por aquelas bandas..,voltei novamente para traz novamente até há ribeira onde o gajo da mota continuava lá com a mota gripada, onde já o meu companheiro de prova o José Andrade também tinha passado a ribeira, quando os dois avistamos o terceiro classificado a seguir em frente sem vir ter connosco, onde o rapaz da mota continuava a insistir que havia ali uma seta para o local onde estávamos...,passamos novamente a ribeira e seguimos o terceiro, onde constatamos que o percurso era em frente e não por ali onde nos andemos a banhar na ribeira por ilusão da mota.., uns metros mais há frente e com cerca de 43km percorridos então passamos novamente mas muito menos funda a ribeira onde surgiu umas subidas inclinadas. 
De primeiro lugar passei a terceiro sendo ultrapassado na subida e perdendo alguma distancia para os dois, e que me deixou com o moral em baixo, pois estive até ali a fazer uma excelente maratona com um bom tempo de avanço.., mas como o meu maior treino é o espírito de sacrifício, voltei há carga, ultrapassado o terceiro e recuperando ate apanhar o primeiro que ainda por cima tinha feito alguns quilómetros há minha boleia era injusto para mim ficar atrás dele..,por sorte o percurso tinha 56km e não 52km como anunciado no site da organização e em três a quatro kms aproveitando novamente um piso muito técnico de muita pedra por entre dois muros, por sinal também especular de trilho, onde a minha agua já tinha esgotado, fiz do sacrifício força terminando no primeiro lugar com o tempo de (2h:32m) entre 66 participantes que concluíram esta prova. Lugar este meu mais que merecido com um minuto de vantagem para o segundo, e assim com muito orgulho meu e da minha camisola, voltei a fazer tradição de ganhar quando a minha princesa Lúcia não pode estar presente (ver classificação).


Minha chegada vitoriosa..
Enquanto fui aguardando pela chegada dos meus companheiros estive reunido com a nossa claque SDT, as namoradas e mulheres dos restantes elementos fomos bêbedo uma grade de minis oferecida pelo vereador Pires e que por sinal e o dono da Remax nosso patrocinador.

Após a chegada do pessoal fomos ao merecido banho nos luxuosos balneários das piscinas.

O almoço foi servido no teatro mesmo ao lado da meta, onde poucos ainda estavam a almoçar, há excepção da enorme comitiva SDT, almoço esse de quem andava a servir parecia ter tudo há conta de para cada elemento, ficando um pouco a quem das expectativas, tendo em conta que cada inscrição foi de 20€, onde nem prémios nem sorteios existiram no final, as zonas de abastecimentos quanto baste também se esperava mais.


No entanto houve esforço de toda a organização, que nos contemplou com um percurso espectacular e por sinal com um lindo dia também ajudar.
Mais uma vez os meus parabéns a todo o pessoal envolvido na organização, para o ano contem comigo.

07 junho 2010

2ª Maratona de Aguiar

Pelo segundo ano estive presente em Aguiar, aldeia onde impera o mito do relógio e das horas... 

A manha começou por volta das 7:00 da matina, onde depois do habitual café seguimos em direcção a Évora.., levei o meu bolinas, onde mais uma vez a minha namorada Lúcia me acompanhou e alem dela também o Acácio a sua esposa Tânia. No outro carro seguia o casal Marques(João, Ana e os seus filhotes). 

A chegada procedemos ao habitual levantamento dos dorsais, sem confusões onde no saco vinha uma t-shirt, duas canetas, uma fita porta-chaves. Depois de nos equiparmos, nas calmas fomos para o centro da aldeia, onde já circulavam alguns betetistas e onde ainda não se sabia ao certo o local da partida. 

Esta prova contou com cerca de 250 participantes divididos pelo passeio se 25km, meia maratona 40km e maratona 70km. 
Muito perto das nove estendem uma fita balizadora ao meio da rua, onde de imediato apareceram os gananciosos de sempre logo a se colorarem há frente dos que já lá estavam, obrigando-me a ficar mais atrás onde inicialmente estava. Por volta das 9 horas foi dada a partida,com alguma confusão acabei por me atrasar e assim deixei fugir de imediato os primeiros lugares.

O percurso começou com um piso de muita areia e uma pequena subidas, onde rapidamente comecei a recuperar posições a um bom ritmo e boa media de velocidade, onde a areia foi sempre presença constante e muitas vezes me arrependi de não ter ainda trocado o pneu de traz que constantemente me derrapava nas subidas.. ,a presença de muitos regos também uma cortante, tornando o percurso muito técnico nas descidas. 
Por volta do quilometro 19 e no momento em que me estava a sentir muito bem fisicamente com a recuperação de muitos lugares, vi uma ambulância e um carro do lado oposto uma vedação.. Vedação essa que separava o trilho onde eu seguia para o caminho da ambulância, não avistando de momento nenhuma fita no meu trilho deduzi que estava no trilho errado, parando imediatamente e voltando para traz para tentar apanhar o outro trilho onde seguia o carro. Quando aparecem mais dois participantes no meu trilho e me alertarem que afinal eu ia bem..., com tudo isto acabei por perder mais algum tempo...
Estava mesmo a precisar de uma nini fresquinha

Rapidamente retomei o percurso desiludido comigo mesmo, mas sempre abrir, ate final consegui recuperar mais dois lugares, e em conversa com um dos participantes me disse que seguiam mais 4 há minha frente, voltando a me dar mais um alento, só que quando cheguei há divisão (40km percorridos e a entrada de Aguiar), perguntei quantos já ali tinham passado, e as meninas da organização responderam-me cinco ou seis para cada lado..,o que não estava há espera, pois ao quilometro 20 um miúdo me tinha dito que eu ia em 7º lugar ( sétimo lugar na geral das duas distancias).., lugar esse que acabei por conclui os 40km com o tempo de 1h:46m entre 175 (ver classificação) que também concluíram a mesma distancia.

Para mim o percurso escolhido deste ano foi pior que o anterior, pois a nível piso foi muito airoso, com muitas valas/regos que no final causou muitas quedas, com um sobe e desce constante onde poderia ter existido mais e maiores fitas, bem como setas e placas de perigo.
Com o braço ao peito..

Após a chegada do resto do pessoal bebemos umas minis numa tasca para repor os líquidos. Depois tomamos um duche se agua fria e fomos para o almoço, onde em comparação ao ano passado fui de longe mais fraco e a imperial tagus.. 

Para variar fomos os últimos participantes a sair....Fica em resumo a simpatia com que fomos recebidos e de notar o esforço que a organização fez para que tudo corresse bem, e o pessoal abala-se satisfeito.