04 outubro 2010

I Maratona Zona 55 "pegada do Dinossauro" (Torres Novas)

Oito dias após a minha desistência na Amareleja por problemas mecânicos foi a vez de esperar melhor sorte, desta vez em Torres Novas, onde fui a única representação SDT. A manha começou antes das 6 horas onde mais uma vez tive a companhia da minha namorada e também a do C. Mourato, companheiro da da Rota d'Ossa. 
Muito perto de chegar a Torres Novas começou a chuviscar o que fez baixar a moral. 

Há chegada fui levantar o dorsal na Escola Pratica da Policia, local onde toda a logística deste evento estava montada. Com o dorsal vinha o habitual saco cheio de papelada e uma t-shirt. Com um inicio de manha a chuviscar e muito fria fomos nos equipando. Depois de uma curta volta de aquecimento fomos dos primeiros a fazer o controle zero ficando assim na frente.

As 9 e pouco depois do habitual brifing foi dada a partida onde percorremos cerca de 5km por alcatrão atrás do carro da policia, surgiram de imediato algumas quedas devido á falta de cuidado de alguns betetistas por causa do piso muito escorregadio. Há saída do alcatrão entramos de imediato num single track muito grande sempre a subir.., desconhecendo eu esse inicio deixe-me atrasar no alcatrão entrando no single com mais de 15 betetistas a minha frente e sem ter qualquer hipóteses de os ultrapassar tive que me ir aguentando atrás, ate que o single acabasse e alargasse para começar a ganhar alguns lugares.. Cerca do quilometro 10 surgiu a separação dos 30km e dos 60km. 

Eu segui para o percurso dos 30 quilómetros pois a minha preparação tem vindo a cair em a pique sem qualquer treino, exercícios ou provas. 

Passado um quilometro solidariamente cheguei a uma aldeia onde segui a indicação de uma seta (errada) e mais a cima com ausências de fitas fui dar com um outro betetista que estava também enganado. Juntos voltamos para traz onde mais á frente encontramos uma fita e seguimos, só que as fitas voltaram desaparecer, onde com muitas hesitações apareceram mais dois atletas...há sorte passamos um carro que estava parado no meio da estrada e sem marcação seguimos mais uns metros até que encontramos novamente o caminho certo, bem como um molho de fitas arrancadas e juntas no chão (em resumo foi o dono do terreno que colocou o carro no meio do caminho e arrancou as fitas para que não passássemos lá), os 4 lá seguimos onde eu juntamente com o bettista que encontrara na aldeia fomos ganhando tempo e distancia para os outros sendo nós os dois os primeiros. 

Todo o percurso fora um sobe e desce constante com muitos e lindíssimos singles. Chegamos ao mesmo tempo ao ultimo posto de controle, onde me acabou por cair o dorsal devido a sua fragilidade face a chuva e onde a senhora da picagem demorou uma eternidade a fazer a picagem e acabou por ser o homem que estava lá com ela a fazer.. 

Perto dos 27 km começaram as cambrias a dar sinal mas mesmo assim mantive sempre o meu ritmo sempre com o primeiro lugar á vista, mas talvez por falta de ritmo não tive pernas para ganhar, acabando assim na 2ª posição com o tempo de 01h:24 (com o mesmo tempo do primeiro) em 31km com um acumulado que rondou os 650m e penso que com mais de 150 a concluir a meia maratona, onde o pessoal da chegada nem nos fazia já a terminar a prova e devido ao que aconteceu ao quilometro 11 resolveram só dar classificação aos primeiros 3 e a todos dos 60km. 
Entrega dos troféus..

O C. Mourato chegou pouco depois onde lavamos as bikes e fomos tomar um merecido duche pois a manha continuava chuvosa e fria. Após o banho ainda faltava mais de uma hora para o almoço que fora servido no refeitório da escola da polícia, onde nos fomos entretendo á conversa com algum pessoal meu conhecido. 

Perto das 13 horas fora servido uma feijoada com orelha de porco, algo que penso despropositado para quem fez uma prova e onde tivemos que ir fazendo tempo ate ha entrega dos troféus e sorteio de prémios onde tinha mais um troféu destinado e como estava com a estrelinha da sorte ainda tive direito a um prémio no sorteio de um vale de uma semana num ginásio em Torres Novas, mas como não era de perto oferecido ao amigo José Tereso do BTT Sardoal.
Eu e meu mor em Almourol..
Em suma fica um excelente percurso onde a estrelinha da sorte voltou a fazer as pazes comigo, que apesar do percalço ao quilometro 11, penso que poderia estar melhor marcado, bem como achei falta de pessoal na organização e um almoço muito pesado e fraco..

Sem comentários: