18 março 2013

13º PASSEIO BTTTRIGO


Para este fim-de-semana estavam agendados dois eventos dentro das proximidades de Estremoz, o 5º passeio por Tilhos e Caminhos da Terrugem de andamento livre e contagem de tempos e mais longe em Monte do Trigo teve lugar o 13º passeio/maratona já meu conhecido por ter lá participado duas vezes.

Por exclusões de parte tudo apontava a minha participação na Terrugem, mas era preciso o tempo ajudar... No início da semana sugiro um provável negócio para venda das minhas rodas 26er. Interessado que iria participar na prova de Monte de Trigo e que me fez mudar os planos.
Fui acompanhando as previsões climatéricas para o fim-de-semana, que mais uma vez não eram nada favoráveis. Mas com tinha o negócio das rodas, caso não participasse iria aproveitar o almoço e fechar o negócio.

A manha começou perto das 7 da manha com algum sol, embora envergonhado, já que antes tinha chovido durante a noite. Fui buscar a Lúcia, minha namorada e que já muito tempo que não íamos sozinhos a um evento.

Com a Lúcia e o amigo Nuno Amaral do BTT-TV
Á chegada com o sol a dar um ar da sua graça e com confiança transmitida pela organização que os trilhos estavam em bons condições para pedalar, levantei frontal com um pequeno saco de brindes (mas também estamos em crise).
Enquanto me foi equipando foi revendo e cumprimentando o pessoal amigalhaço deste eventos.
Perto da hora já me encontrava junto da linha de partida com algum pessoal á minha frente.

Á partida esta prova para mim estava carregada de testes, seria o tudo ou nada e a "vingança" já na anterior edição de Monte trigo não terminei por problemas mecânicos.
Á seis meses que não participava em nenhuma prova competitiva, logo á falta de ritmo era esperada. Para ajudar á festa á quinze dia que não andava de bike (o que me tem valido tem sido a corrida, natação e ginásio durante a semana). A favor seria a estreia do meu novo tractor 29er bem como fisicamente com menos 5kg. 

Á ultima badalada do sino da torre da igreja foi dada a partida onde aos dois quilómetros percorridos encostei ao grupo da frente com cerca de 15 elementos, onde os da cabeça do pelotão já olhavam para traz a ver que iria assumir a frente da corrida. Como era o tudo ou nada nem pensei duas vezes e passei logo eu para a frente, onde num percurso muito rápido em grande ritmo fui-me aguentando quase sempre na frente do pessoal.

A liderar
Ao quilómetro 15 com o grupo cada vez mais partido percorremos um pouco de alcatrão que sérvio para eu baixar um pouco o ritmo. Á conversa com o Rafael Lutas (no final vencedor dos 65km) me avisou para eu "abrandar" pois o pessoal estava todo andar á minha "mana"!!. Eu respondi-lhe, “-hoje é até "rebentar" e cair para o lado...”
Apos essa passagens em alcatrão e com a entrada novamente em mato, fizemos algumas subidas curtas e inclinadas com uma passagem muito perto do alto do S. Pedro onde eu seguia na 3ª posição mesmo atrás dos outros atletas. Após mais uma serie de pequenas subida surgi-o um espectacular single na maior parte por meio de estevas e que sérvio para alargar mais a minha diferença para os que vinham atrás..

Á saída do single e após uma passagem por dentro de uma barraca num monte aconteceu uma peripécia que nunca mais me irei esquecer. Fui atacado por um pato ganço que abriu as asas e vou para cima de mim, mas com rápidos reflexos dei-lhe um murro com a mão direita e segui.
Alto S. Pedro

Ate á divisão já com cerca de 25km pedalados surgi-o mais um single onde estava a Lúcia a tirar umas fotos e a me prestar apoio psicológico. 
Na divisão segui a seta dos 45km e os outros dois atletas seguiram para os 65km, ficando isolado e logo para meu azar onde estava situada a maior dificuldade do percurso com mais algumas subidas ate ao S. Pedro. Dificuldade essa agravada com as cambrias a começar a "morder" e eu arrependido de não ter levado uma ampola de magnésio enquanto ia pensando para mim. "Vais morrer na praia"...
Sozinho em grande esforço físico mas sem adversários á vista foi subido até ao alto de S. Pedro onde os músculos estavam presos com as cambrias que me dificultaram a progressão...

Talvez a minha sorte foi que do Alto do S. Pedro até Monte Trigo o percurso era praticamente a rolar. Já com aspecto de chuva voltei novamente a meter um ritmo muito forte e ao fim de 40km percorridos com um acumulado de 800m em 01h:41m, cheguei isolado em 1º lugar, onde pela primeira vez a minha namorada me pode ver curta a meta em primeiro.

A melhor forma de começar o ano..
Após a entrega de prémios (um oferta de uma inscrição para o troféu de Évora) e já debaixo de chuva lavei a bike e tomei um merecido banho de água quentinha.

Dirigi-me para a local do almoço onde foi bebendo umas imperiais e fazendo tempo que começassem a servir o grão, á conversa com um amigo da organização vim a saber que a vitima seguinte do pato foi o Marco Chagas que segui atrás de mim e que acabou mesmo por cair.

Em suma este evento vai ficar marcado na memória não só pelo ataque do ganso eheh, mas como uma grande vitoria sem "espinhas" onde dominei do inicio ao fim e logo com a estreia da 29er. Não faz milagres mas com umas boas "pernas" ajuda.

Sem comentários: