26 setembro 2011

2ª Resistência BTT by RidersTT



Continuando as minhas pedaladas em busca da minha melhor forma física e preparação para a maratona dos Cocheiros. Esta vez após quase dois anos fora deste género de prova (circuito), pois a ultima vez foi no troféu de Évora em 2009. Sendo o Ciborro uma aldeia não muito longe de Estremoz e tendo como companhia o J. Garcia fomos a esta simpática aldeia a fim de participar na 2 resistência BTT By RidersTT. A minha começou por volta das 7:00 da matina, onde por coincidência na Snop encontramos dois elementos da Rota d'Ossa e em conjunto nos deslocamos ate ao Ciborro.

A chegada levantamos os dorsais no campo de futebol, onde ainda havia pouco pessoal, ja que a partida era do centro da aldeia. Equipamos nas calmas e fomos para a zona da partida onde encontramos o nosso colega de equipa Telmo e mais algum pessoal conhecido. Há partida estava cerca de 70 participantes que se iriam dividir pelas 2h e 4 horas. Eu e o pessoal SDT estávamos todos paras 2 horas.

A partida foi dada onde parti atrás dos primeiros 10 participantes para um percurso que já era sabido com cerca de 8km e um acumulado por volta acima dos 150m de subidas. 
Eu "arrebentar" e traz o amigo Pedro Pardal..
Logo na primeira volta constatei um circuito muito variado, com alguns singles trak pelo meio de eucaliptos, tanto a subir como a descer, muitos drops, descidas curtas mas muito inclinadas e de grande dificuldade técnica, passagem por túnel feito pela vegetação num ribeiro com muita pedra e dois ou três quilómetros a rolar ao lado de uma barragem e com subidas duras e técnicas sendo uma delas muito inclinada e aos S até a passagem pela meta no centro da aldeia, onde o pessoal da organização tomava nota dos tempos e voltas. 

Após o aquecimento da primeira volta andei sempre lado a lado com o Pardal onde á terceira volta já estava a dobrar participantes, mantendo quase sempre o mesmo tempo/media por volta. 
Na minha quinta volta consegui ultrapassar mais um participante das 2 horas e no quilometro final distanciar de um que andou sempre na minha roda, com esperança de conseguir passar antes do tempo e dar mais uma volta recuperando mais um possível lugar cheguei a meta com 9 segundos depois da hora onde o Rafael que andava a minha frente também já tinha terminado. 
Fiquei a sabendo que tinha concluído o tempo no 3º lugar e onde o primeiro classificado passara antes do tempo e concluiu mais um volta.Em resumo fiz cerca de 45km com um acumulado de cerca 850m. 
Foi uma boa estreia neste tipo de provas, bem como me deu imenso prazer percorrer e ultrapassar rapidamente as zonas mais técnicas.

Fomos tomar um duxe e voltamos para o centro da aldeia onde ainda decorria a prova das 4horas, abancamos num café a repor os líquidos com umas minis e os sólidos com uns tremoços.

O almoço so tinha hora marcada para as 13:30 onde fomos presenteados com a variedade de dois pratos (carne ou peixe), bem como entradas e doces, tudo em grande qualidade e quantidade acompanhado de minis. Presenciamos á entrega de prémios onde tive direito a um pólo da Junta de freguesia e um coxo em cortiça com uma referência do 3º classificado.
Entrega de um coxo, para um cocho..
Em suma ficam uma excelente manha de BTT, com um espectacular percurso que me deu bastante gozo pedalado onde o pessoal da organização foi impecável, extremamente prestável e simpático.


20 setembro 2011

2ª Maratona "No Trilho do Lobo" - Abrantes



Passados 15 dias do inicio das minhas pedaladas e após o empeno de Mombeja, há que continuar a ganhar preparação. Desta vez fui pedalar nos "trilhos do Lobo", no Rossio ao Sul do Tejo.
A manha começou por volta das 7 da matina onde tive a companhia do Luís, do Vítor e do João.

Esta prova alem das pedaladas também tinha como objectivo a angariação do maior numero/quilos de tampinhas plásticas para ajuda de uma prótese de uma menina que nasceu com um problema num braço. Nos arranja-mos cerca de 25 garrafões da agua de 5L cheios.
A chegada foi perto das 8h:30m onde já muitos aguardavam a partida junto há manga, nos ainda iríamos levantar os dorsais, onde o saco trazia um bidão, umas pastilhas, um chocolate, uma caneta, porta-chaves, e papeis, nada mau para quem pagou 14€.


Rapidamente nos equipamos e passamos pelo controle 0, já perto da hora da partida, mas sem stress, pois desta vez iria participar na distância maior anunciada de 64km, bem como os restantes companheiros do SDT. 
A meia-maratona só teria cerca de 30km, o que era pouco para quem gosta de andar de bicicleta e ir de carro fazer 200km para depois fazer ao fim de uma hora e pouco estar despachado era fraco, pois as minhas condições físicas, mesmo sem estar em forma permiti-me fazer na boa 60km e em ir há pequena só estava a demonstrar que estava interessado em fazer um bom resultado...

A partida foi dada ha hora certa onde em conjunto com o Vítor percorremos os kms iniciais em ritmo mais baixo, ultrapassando mesmo assim muitos atletas, o João fugiu logo para a frente. Com os primeiros kms constatei os trilhos com muita areia e pedra solta, mais um rápido possível desgaste físico neste tipo de trilhos. 
A um ritmo mais baixo onde mantive as pulsações abaixo das 160 fui ganhando lugares atrás de lugares, chegado a divisão dentro dos 15 primeiros, depois vieram uns bons quilómetros em estradão, onde ia pedalando e vomitando ao mesmo tempo, talvez por não ter feito bem a digestão na anterior noite, mas consegui m ir aguentado sem bolsar tudo o que tinha no estômago. A meio do percurso apareceram mais umas subidas com muita pedra e uns singles brutais... 
Ultimo single, muito tecnico

Cerca do quilómetro 55 no último abastecimento apanhei o meu companheiro de equipa João que ja tinha levado com o homem da marreta. Em conjunto com ele tentei continuar, mas ficou-se para traz, continuei em bom ritmo a pedalar com mais duas subidas inclinadas pela frente ate chegar ao ponto mais alto com uma vista brutal sobre Abrantes onde já os percursos estavam de novo juntos ultrapassando ainda pessoal dos 30km. Dai ate chegar a meta foi a pique a descida brutal sempre a fundo onde com quase 69km e um acumulado que rondou os 1000m, cortei a meta em 13º entre 81 participantes na distancia maior com o tempo de 3h:13m. Muito bom para mim pois não senti o homem da marreta nem as cambrias me fustigara muito. Foi um bom treino para ganhar forma física (ver classificação).

Fui aguardando pela chegada do pessoal SDT na companhia do pessoal do Sardoal e ainda malhei duas imperiais e um cigarrito. Perto das três já de banho tomado fomos almoçar onde tivemos de aguardar pelos grelhados, pois já éramos dos últimos por tarde chegada do nosso companheiro Luís. Depois de almoçar confraternizamos com o pessoal da organização.

Fica mais um bom evento com pessoal muito simpático e prestável, os trilhos também são muito agradáveis e diversificados, tirando a quantidade de pedra solta..
Foto do dia

Uma amostra das tampas que levamos, no banco de trás ainda havia mais..


06 setembro 2011

VII Passeio por "Trilhos de Mombeja"


Após cerca de dois meses parado da lides do espírito de competição, muito por culpa da escassez de provas, e a semelhança da data, eis que resolvi voltar as pedaladas.

Á semelhança do ano passado voltei a escolher Mombeja, porque tinha estado presente na anterior edição onde alem de ter adorado toda a organização e simpatia sabia que ali iria encontrar muito pessoal amigo destas andanças. A manha começou sedo, cerca das 6 da matina onde mais dois elementosdo SDT me acompanharam, foi o Vítor e o Pato.
A chegada foi cerca das 8:10 aldeia de Mombeja, onde voltei a reencontrar alguns amigos. Nas calmas fomos levantar o dorsal sem demoras e com um secretariado muito eficiente, onde no saco vinha uma pesada estatueta alusiva ao evento e mais alguma papelada e porta-chaves habituais destas coisas.

Antes da hora da partida posicionei-me na segunda fila da manga até á hora da partida, onde percorremos algumas ruas da aldeia, voltando a passar na zona da meta e aí sim foi "prego afundo", onde nos rápidos e primeiros kms persegui logo a traz no grupo da frente com cerca de 20 atletas, sempre em grande velocidade, já que os primeiros kms eram muito rápidos, com sobe e desce muito curtos e uma grande média.

Entre os km 15 e 25 surgio a maior dificuldade com o surgimento de algumas subidas maiores e onde estava concentrado o maior acumulado, que no final rondou os 600m. Nessa parte mais dura consegui recuperar mais 4 a 5 lugares bem como me distanciar mais para o pessoal que vinha na roda, e após essas subidas vieram os últimos 15km com grandes estradões muito rolantes onde ainda avistei o pessoal da perseguição dos primeiros 3.

Todo "arrebentado"..
De um momento para o outro fiquei com a sensação de estar perdido pois deixei de avistar o pessoal da frente, bem como o de traz muito por culpa do "homem da marreta" e ainda faltavam 10km onde as pernas já eram... e o sacrifício era imenso em não perder lugares. Para ajudar á festa passamos pelo meio de um milharal completamente cheio de lama, onde as bikes deslizavam por completo e mal a consegui segurar.., ao ponto da cassete e corrente ficar completamente carregada de lama e as mudanças irem constantemente a saltar, mais uma ajuda para acabar com o resto . Ate a mudança de percursos o pessoal que vinha atrás rapidamente se colou a mim até a mudança. 

Há mudança ainda tinha pensado em ir aos 70km, mas já não tinha pernas para mais 7km, quanto mais para 30km. Após a mudança ainda acabei por ser passado por dois atletas, onde o ultimo ironicamente me disse "companheiro, hoje nem nos 10 primeiros ficamos…", mas não acreditei pois tinha uma ideia dos que tinha há frente só que desconhecia era que só tinha ido 4 para os 70KM. Nisto olhei para traz e não tinha mais ninguém na roda respirando assim de alivio pois a meta estava perto e eu completamente rôto.
Ao fim de 01h:41mim terminei os 45km em 12º, entre 214 participantes na mesma distância a 7 min do primeiro.(ver classificações).
O trio SDT em Mombeja.
Esperei um pouco e chegaram logo os meus companheiros do SDT, onde nos dirigimo-nos paras lavagens das bikes. Depois foi a nossa vez e antes do almoço ainda fomos bebendo umas imperiais para abrir o apetite e conversando com o pessoal.

O almoço á semelhança do ano passado muito bem servido pelo pessoal da terra em quantidade, variedade e qualidade na companhia dos amigos dos Cocheiros. Com alguns imperiais Tagus á mistura o chofer para Estremoz foi o Vitor.

Em suma fica mais uma bela organização simpatia e uma péssima prestação da minha parte.

Há dias assim...