28 setembro 2010

I Raid da Amareleja

Para este fim-de-semana tinha três provas previstas na minha agenda, mas apenas podia participar numa..

A primeira a dos trilhos megalíticos em Castelo de Vide ficou excluída por falta de pessoal e para mais em sábado, as outras duas eram no domingo. A de Alenquer e a da Amareleja. 
Como estavam dois elementos SDT confirmados para o Raid na terra mais quente do país e com o convite do amigo Humberto que pertence a organização acabei por acompanhar o meu pessoal SDT. 

A manha começou por volta das 6 da matina onde me fiz acompanhar com a minha namorada a fotoreport de serviço há boleia com P. Guerra e com o Calimero. 

A chegada foi pouco antes das 8 horas onde o sol teimava em aparecer e com uma manha muito fresca. Fomos dos primeiros a levantar os dorsais, onde ainda aquela hora existia muito nervosismo, sonolência e falta de experiência com o pessoal do secretariado. No saco vinha papelada, gel e champô de banho e uma t-shirt L que o pessoal se prontificou em trocar no final, caso eu não me teve-se esquecido. Lentamente fomos equipando com o calor aparecer. 

Um quarto de hora antes da partida já estava junto há partida na linha da frente a conversar com alguns betetistas meus conhecidos e amigos destas voltas, pois embora não houve muito pessoal confirmado na lista da net havia muitos que pagaram na hora havendo cerca de 150 divididos nos 50km do raid e do 25km do passeio. 

 A hora marcada ainda estava a chegar pessoal de carro, com que fez desportivamente que o pessoal aguardasse mais um pouco pelos atrasados. 
Após o brinfing um minuto de silêncio em memória a um companheiro de pedal e com quase 15 minutos de atraso lá foi dada a partida e logo para meu o azar começou com as mudanças a saltarem e logo de imediato a me atrasar para os lugares da frente... 

Entramos numa mata repleta de pinheiros com um sobe e desce constante e muito rápido onde rapidamente recuperei as posições perdidas há partida onde aos 8km já rolava no 4º lugar juntamente com mais 3 atletas..., onde nas decidas tentava ganhar tempo para os primeiros, decidas essas com muita pedra solta e valas, mas quis o destino que ao quilometro 11 e pela primeira vez o pneu trazeiro rebentou quando embati violentamente numa pedra... Desanimado vim andado a pé, onde uns metros mais há frente junto de uma estrada de alcatrão se encontrava pessoal da organização.
A espera de um companheiro do SDT

Esperei por um dos meus colegas do SDT a fim de me emprestarem uma bomba, na esperança que ao encher o pneu e que o liquido vedasse e assim concluísse a prova... Ao fim de um bom tempo passou o Calimero que só tinha uma bomba de CO2 e para que ele não perder tempo mandei-o seguir, esperei e desesperei pelo Guerra... não apareceu mas aparecei o Sr. Luís e por sinal penso que seria um dos últimos que gentilmente parou e me tentou ajudar, tentamos encher o pneu primeiro com CO2 que acabou não vedar, depois uma bomba com espuma que saio pelo rasgo e por fim deixo-me uma câmara de ar e seguido, só que eu continuava sem bomba... 
Como estava muito perto da Amareleja e preocupado com o Guerra que não passou ali, meti-me ao caminho pela estrada com o pneu quase vazio mas mesmo assim suficiente para chegar há meta onde não estava ninguém. 

Aguardei um pouco lá apareceu a Lúcia que estava detrás da barraca dos computadores onde me disse que o Guerra não tinha por ali ainda aparecido. Arrumei a bike no carro e voltei para zona da meta onde ao cimo da rua vinha o Guerra a pé mais outro participante também furado...


Tristezas não pagam dividas..viva á Sagres..
Fomos aguardado pela chegada dos primeiros e do Calimero o único SDT que concluiu a prova. 

Toma-mos duche nos novíssimos balnearios do campo de futebol e vamos a ver do almoço, mas antes percorrendo as várias ruas da Amareleja com um "empurra para cá, empurra para lá" custamos caro a dar com o local. 

O almoço foi servido na escola em self-service em boa quantidade e muito saboroso regado com umas fresquinhas e assistimos a entrega de prémios ate ao 10 lugar..,onde desta vez não me calhou nada, só mesmo a despesa de um pneu novo mais liquido que tive de substituir o quase novo rebentado e azarado... Em geral para primeira prova esteve tudo impecável, onde é de salientar a simpatia, acolhimento e disponibilidade do pessoal da organização.

13 setembro 2010

5º Maratona de Óbidos


A maratona de Óbidos ficou marcada na minha agenda após o ano passado ter participado pela primeira vez nesta prova ao ponto de trocar um casamento para estar presente em terras do oeste onde alem de mim tive como companheiros do SDT a participar mais onze elementos. Um elevado numero, tendo a maioria pernoitado no sábado nas Caldas da Rainha.

Eu arranquei de Estremoz mais o Zé Júlio e a minha namorada Lúcia eram 5:30 da matina em direcção a Óbidos, pois pela frente tinha uma viagem de 200km. 

À chegada  iríamos juntar com o resto do pessoal SDT (J. Lopes, G. Lopes, C. Bilro, L. Bilro, J. Dias, L. Dias, L. Santana, P Guerra, H. Camões e A. Camões), que no dia anterior já tinha levantado os nossos dorsais, ganhando assim mais algum tempo, já que eram esperados mais  de 700 betetistas.

Nas calmas foi-me equipando e ainda tive tempo para estar as lerias com o Carlos Santos, possuidor de uma "mana" da minha MSC Catal, onde antes da prova já nos tínhamos combinado encontrar e "desafiar" no duelo MSC...lol. 
Antes das 9 horas fui para a zona da meta, passando antes pelo controlo 0 onde apesar do enorme número de participantes consegui um lugar perto do pessoal da frente, o que me facilitaria muito um bom arranque. Arranque esse que foi dado pontualmente e com uns  quilometros em alcatrão e uma subida por uma rua de Óbidos, ganhando assim mais uns lugares.

A primeira parte da prova fora muito rápida, com poucas subidas mas muitas zonas de areia onde andei sempre no segundo grupo a perseguir os primeiros, e ao contrario do habitual não consegui ganhar muitos lugares, pois seguidamente apareceram uma serie de singles que limitou um pouco as ultrapassagens... Ultrapassagens essas me fez o Santos com a mana da minha bike, onde rolamos em juntos e  num grupo por uns bons quilómetros, ate que na zona junto há lagoa num grande estradão consegui passa-lo bem com mais 6 ou 7 que seguiam no mesmo grupo. Passando para a frente e sempre a rolar fui puxando pelo pessoal e a tentar ganhar mais algum tempo, só que o pessoal aproveitou a minha roda e não descolou.., com o aparecimento de uma subida paguei caro o esforço sendo ultrapassado pelo grupo todo. 

Nos últimos 10km eram onde estava a maior dificuldade, pois era onde estavam as subidas e eu arrebentado, mas mesmo assim não "baixei os braços", e com grande esforço pois as cambrias já tinha dado sinal da sua existência fui tentando recuperar menos distância para o pessoal da frente (tentar remediar o mal já feito), lentamente fui conseguindo mas o castelo estava já há vista, local onde se situava a meta sempre com um final espectacular e lugar que acabei por manter.
Entre 525 participantes nos 40km terminei em 19º com o tempo de 01h:38m( ver classificação), o que me deixou um bocado frustrado, pois tinha como objectivo melhorar o meu 15º do ano passado.
Um brinde e uma cigarrada..
Á dias menos bons, mas estava feliz por terminei mais uma prova sem quedas nem azares mecânicos. A nível de marcação/sinalização impecável.
Aguardei pela chegada de mais alguns elementos SDT depois fui andando pelas lindíssimas ruas de Óbidos ate parar num café a beber umas minis antes do banho.

A comitiva SDT juntou-se toda e foi ver do almoço, servido ao lado da piscina coberta onde a sombra era coisa rara, iam-se repondo os líquidos com imperial e os sólidos com porco no espeto.
Depois do almoço o melhor era ir queimar as calorias, dando uma passeata pelas históricas ruas de Óbidos.
Em resumo fica o registo de mais uma excelente maratona/percurso tirando alguma arrogância do pessoal da organização na zona de chegada.., o grande numero de pessoal SDT presente e no duelo MSC a do Santos foi mais forte, mostrando uma grande forma física, ao qual o felicito e elogio.

06 setembro 2010

IV Passeio/Maratona pelos Tilhos de Mombeja


Esta foi a prova que me propôs fazer para iniciar a segunda metade do ano após uma ausência de cerca de dois meses de competição e cerca de um mês e meio sem fazer BTT, por culpa do verão e das férias. Prova esta que já conta com 6 edições, e já algum tempo que ouço falar muito bem deste evento por terras do baixo Alentejo. 

A manha/noite começou cedo, cerca das 5:30, onde me desloquei somente com a minha namorada Lúcia a Mombeja, acabando por ser o único elemento SDT e estremocense presente. Há chegada há pequena aldeia fui levantar o dorsal onde muito simpaticamente fui recebido. No saco vinha alem dos papeis, uma oferta que achei muito bonita (uma bilha de barro em miniatura pintada há mão). 

Após rever alguns companheiros de pedaladas e conhecendo outros fui-me equipando nas calmas, pois ainda faltava uma hora para a partida, mas também sabia se queria partir nos lugares da frente não me poderia distrair.., pois para esta prova  estavam cerca de 350 inscritos confirmados e divididas por três distancias (20km, 45km e 70km). 

As nove em ponto foi dada a partida, onde seguimos atrás da mota da organização percorrendo as ruas da aldeia e que sérvio para um aquecimento sempre com muito pessoal a ver e nas ruas.., voltado novamente a passar por baixo da manga da meta e ai então o pessoal a começar a prova... A expectativa á minha condição física era o meu principal teste, pois não tinha ritmo de competição, algum tempo que não fazia BTT somente pequenas voltas de estrada e corrida, mas o meu melhor treino é como sempre o espírito de sacrifício.




Os primeiros quilómetros foram um constante sobe e desces, onde rodei no grupo dos 15 primeiros, muito perto dos da frente.., até que surgiu uma subida maior e recuperei mais alguns lugares.., perto do quilometro 15 voltamos novamente a passar debaixo do arco meta, em Mombeja, o que achei muito original, pois dava para o publico se aperceber melhor das movimentações dos participantes e nos sermos incentivados com palavras e aplausos. 

Apartir dai o piso começou a ser mais duro, irregular e com zonas de pedras bem como as subidas mais longas começaram então a surgir..., já que para os 45km estavam previstos mais de 800m de acumulado. Cerca do km 35 e após a subida mais dura e longa e mais uma serie de sobe e desces onde comecei a ter uma quebra, pois o esforço gasto já tinha sido muito e sabendo que esta nos primeiros lugares não tive pernas (talvez pela falta de ritmo) para tentar acompanhar um pequeno grupo que seguia há minha frente já muitos quilómetros abrandei para tentar acabar bem, pois as cambrias já "picavam" e assim desconhecendo a minha posição ainda fui avistando os dois participantes há minha frente ate quase há meta os dois que ficaram há minha frente. 

Há chegada o meu objectivo foi concluído, fazer menos de horas e nos 10 primeiros. Mais precisamente o 4º lugar com 1h:59m os 47km com 241 participantes (ver classificação). Á conversar com o spinker na chegada ainda tive mais uma cambria lol. Este lugar  que acabou por ser amargo pois há conversa com o Pardal (primeiro classificado), me disse que era para ter feito os 70km, mas por queda e problemas técnicos ficou pelos 45km. 

Agarrado á mangueira
Nas calmas lavei a bike, pois por incrível que pareça apanhei um banho de lama, quando passamos num milheiral que estava a ser regado. O banho foi de agua fria, mas que ate soube bem, depois antes do almoço fui bebendo umas imperiais e assistindo há chegada de alguns participantes. 

O almoço foi servido num barracão semi-acabado mesmo ao lado, onde a variedade de comida confeccionada pelo pessoal da organização era mais que muita sempre com um sorriso e boa disposição, onde assistimos há entrega de prémios e ao sorteio de muitos, que mais pareciam não acabar.. embora não tenha saído nada.. 

Fica sem dúvida uma excelente prova a repetir, onde não existiu nada negativamente apontar, fomos muito bem recebidos pela organização sempre com uma enorme simpatia e disponibilidade.