16 junho 2014

Maratona CicloClube de Elvas 2014

Apesar da vontade não ser nenhum de ir pedalar na VI maratona de Elvas devido a problemas pessoais, mas o grande amigo Pedro Guerra acabou por me convencer a marcar presença em mais uma edição, local onde já á uns anos tinha conquisto um primeiro lugar.

A manha começou as 7:30h onde tive a boleia do Pedro e da namorada Vânia.
Para este evento o SDT tinha 16 inscrições confirmadas, sendo a maior equipa, mas logo por azar este ano não havia premio para a maior equipa.

Já com os frontais levantados no dia anterior, foi caminho andado para não perdermos muito tempo. Apos a habitual fotografia, cerca das 8:30h passamos o controle 0, onde já cerca de cem atletas aguardavam as nove horas..

Por ali ficamos aguardamos a hora da partida, com o calor já a se fazer sentir..
A hora em ponto foi lançada a partida onde em grande velocidade percorremos algumas vias em alcatrão, sempre deu para preocupará alguns lugares, pois já sabia que os primeiro quilómetros iriam ser muito rápidos..
A saída do alcatrão entramos numa estrada entre uma pastagem, alem da grande quantidade de pasto seco, tapava as pedras e terrões..

Recuperando muitos lugares até chegar á divisão de percurso muito cedo, que fora inicialmente, por entre um olivar avistei a frente da corrida e contabilizei estar nos 10 primeiros, o que era muito bom, pois ainda estávamos no início e estava avistar a frente a corrida.
Uns quilómetros mais a frente houve algumas quedas no grupo da frente, sem gravidade, mas o suficiente para eu aproveitar e colar, embora na calda do pelotão.

Cerca do quilometro 12 na passagem de um estrada de alcatrão um dos participantes deixou cair o bidon da agua, ao chegar mais perto vi que era o do Diogo, sendo meu conhecido ofereci-lhe de imediato o meu bidon, já que tinha dois e estava muito calor..

Momento marcante e arrepiante
Continuamos na estrada de asfalto a subir um pouco quando finalmente colei na frente onde segui o Edgar e o Diogo que me receberam com palavras de muito apoio e ajuda, entretanto o Ricardo e o Cesar também me deram uma força, momento este que nunca esquecerei aquela força pelo grupo e em prova.. Mais algumas trocas de palavras e saímos do alcatrão começando a subir o alto do Falcato, onde o grupo se voltou a partir.
A cimo dessa subida existia um descida em single mais técnico, ao entrar no single tinha um espanhol na minha frente com muita pouca técnica e também não me deixou passar, perdendo alguns segundos preciosos para os dois que ficaram isolados na frente, bem como perdi tempo para quem vinha atrás..

Mais uns quilómetros e numa zona mais rolante acabaram por ser passados por mais um atleta, o Hugo que tem feito uma grande evolução. Os três percorremos mais alguns quilómetros sempre muito perto uns dos outros, chegando andar juntos e dois separávamos novamente, sempre assim, onde voltei avistar a frente da corrida. O Edgar e o Diogo, mais atrás o Hugo, o espanhol e eu..

Ao quilometro 35 era como seguia a frente mas todos avistamos uns aos outros.. Desta vez sabia e conhecia a ultima parte, onde estava concentrada a maior dificuldade tanto física como técnica, puxei pelos galões e pedalei de forma inteligente, tendo-me poupado anteriormente.

No início da primeira e inclinada subida, sem que eu ainda lá tivesse chegado analisei-os a todos. O Edgar foi subido em grande forma, o espanhol apanhou o Diogo e o Hugo pagou a factura de ter ido na minha frente a puxar. Passei e distancie-me do Hugo sem grande dificuldade e mesmo no fim da subida já estava colado nos outros dois atletas, com a descida em single, voltei apanhar o espanhol na minha frente.. Mas ainda faltava a subida ao forte e a descida novamente em single. A primeira subida era em alcatrão onde meti o meu ritmo acabando por os deixara-los para traz lentamente, enquanto fui subido foi vendo que estava a ganhar distancia e sabia que se me aguentasse era meio caminho para o pódio.

Enquanto subia com os dentes serrados ia pensando e pedido força á alma do meu pai. Sai do forte isolado, entrei no ultimo single a descer em alta velocidade, mas ainda me faltavam cerca de 2km para a meta e novamente a subir por entre as muralhas, mantive aquela força espiritual onde desta vez nem a cambrias me apareceram e geri a distancia ate cortar a meta ao fim de 2:00h e 45km, onde nem vontade de festejar tive, acabando de cabeça baixa na 2º posição e carinhosamente voltei a ser abraçado e apoiado emocionalmente pelo pessoal do pódio e conhecidos..

Um pódio de  grande elite
Feita de imediato a entrega de prémios, aguardei a chegada de alguns dos elementos SDT e perto das 13h fomos ao banho.
O almoço foi marcado para a comitiva SDT num restaurante, onde fomos recuperando a energia enquanto quatro elementos foram para o percurso dos 80km, acabando por desistir a.15km do fim.


Em resumo foi mais uma boa organização do Ciclo Clube Elvas onde maior dureza fora estado dos trilhos muito duros como já era de esperar e onde tenho agradecer o apoio pelo staff todo que estava espalhado pelo percurso e me deram sempre grande força.

06 junho 2014

V Maratona Piranhas do Alqueva

Indeciso com a minha participação entre o fim-de-semana logo apôs o BTT Campo Maior na prova de Cabeço de Vide, ou neste fim-de-semana em Reguengos de Monsaraz. Optei por falhar a minha terceira participação consecutiva em Cabeço de Vide e me estrear em Reguengos com a organização dos Piranhas do Alqueva.
Esta prova foi a que obteve o ano passado mais participantes no nosso Alentejo logo a seguir a de Portalegre, daí o meu interesse em participar e me estrear neste evento.

A manha começou cerca das 7:00h onde desta vez levei a minha viatura e como companhia tive a da minha namorada e do Luís Bilro. Noutra viatura seguiam o A. Beja Neves e o C. Bilro.

Á chegada a Reguengos fomos ter ao secretariado perto do local da partida onde em fila aguardamos cerca de 10mim para levantar do frontal, um pouco lento e pouco pessoal do staff para entregar cerca de 600 sacos.
Após levantamento do frontal decidi-mos ir logo deixar os carros perto do local dos banhos, a mais de um quilómetro da zona partida o que me fez perder mais alguns preciosos minutos.

Perto das 9:00h e á pressa mais uma vez, fui percorrendo algumas das ruas ate chegar á zona da partida, onde estavam a fazer o controlo 0. Sendo a partida as 9:15h ainda estava com muito tempo, mas não para obter um melhor resultado, pois já estavam muitos participantes na minha frente, talvez mais de duzentos e mais cerca de cem que estavam confirmados para o percurso dos 80km, separados dos restantes, mais á frente. Por ali aguardei as lerias com Humberto, enquanto o calor já se fazia sentir.

Nos primeiros quilómetros já tinha sombras
A 9:15h foi lançada a partida onde atrás do carro da GNR, percorremos cerca de 3km de alcatrão de forma muito rápida, onde consegui ganhar alguns lugares, mas muito longe da frente, nem sequer avistei.
Á saída do alcatrão entramos numa estrada de terra batida estreita, dois a dois onde com muita dificuldade fui tentado “furar” a fim de ir recuperando lugares.
Até ao quilómetro 12 foi um tirinho, onde finalmente apareceram algumas subidas de mais inclinação. Até Monsaraz, cerca do quilometro 30, o percurso foi em sobe e desce, com os sobes em "paredes"..  

Antes da subida a Monsaraz, subida esta em pedra com cerca de um quilómetro já tinha havido a separação de percursos onde me informaram que me encontrava nos primeiros dez, onde fiquei com
a esperança de recuperar mais alguns lugares já que faltavam ainda cerca de 18km até á meta.
Uma descida mais técnica
Mas apareceu-me um problema, quando mesmo junto ao castelo tive que apear para subir dois degraus., quando uma piranha “cambria” me inteiriçou a perna.. E pronto estava a “barraca armada”...,eram esperados 18km a sofrer.

Descemos uma dura descida por entre pedras e com o companheiro Ruxa, que já algum tempo me vinha acompanhar. Mesmo á nossa frente seguia isolado um outro participante e mais a frente ainda avistávamos mais três, o que pelos meu cálculos conseguindo passar esses participantes ficaria perto do pódio.
Cerrei os dentes e dentro das limitações físicas deixei o Ruxa para traz e fui me encostar a esses participantes, ganhando-lhe de imediato a frente da corrida sem qualquer receio de puxar..

Subida a Monsaraz

Só que ainda faltavam cerca de seis quilómetros par ao fim, embora com um percurso me era favorável, muito rolante sendo o problema era eu já estar na reserva e só me limitei a dar boleia aquele grupo até quase ao fim, pois já sabia que não era capaz de manter a frente até á meta.

A menos de um quilómetro com a entrada no alcatrão, limitei-me a encostar para o lado e deixar passar os quatro bettetistas, concluído a prova na cauda no 8º lugar da geral, 5º no meu escalão com o tempo de 01:59m entre 404 a terminar os 48km.

Um pouco ressabiado com aquele desfecho, as limitações físicas não me permitiram melhor, aguardei a chegada da restante comitiva SDT onde ainda tive tempo para um banho junto da meta nuns repuxos de agua.

As crianças diverte-se no dia 01 Junho




O almoço foi servido no salão dos Bombeiros Voluntários de forma requintada, com muita entrada e serviço no prato, não faltando nada.

Em suma o percurso estava bem marcado e sinalizado, o ponto menos bom vai para secretariado demorado e com pouco pessoal e para a separação dos participantes dos 80km á parte, mas com o mesmo tempo de saída dos 45km, de resto estava tudo impecavel..